Artigos

A âncora da mudança: navegue mar adentro

É hora de içar a âncora! Levantar velas!
Na vida passamos por ciclos e enfrentamos desafios do qual nem sempre podemos estar preparados ou mesmo prontos. É certo, no entanto, que é preciso estar aberto a aprender para crescer e se desenvolver, pois nem sempre se tem aviso prévio que um novo ciclo deve começar. Neste processo encontramos com a necessidade da mudança. Nem sempre estamos conscientes que precisamos mudar, outros adquirem consciência mais não se movem e outros ficam a adiar e tem aqueles que se sabotam. Quando uma pessoa está ancorada na zona de conforto de comportamentos e atitudes que precisa mudar e não o faz ela não avança no seu crescimento pessoal. Simplesmente estacionou. Você consegue perceber qual âncora precisa levantar para voltar a navegar?

O primeiro passo para a mudança é o autoconhecimento. Ter a coragem de perceber seus pontos fortes e pontos fracos, seus comportamentos positivos e aqueles que precisa mudar; colocar um olhar sobe a sua roda da vida e analisar o que precisa ser melhor. É um processo de tomada de consciência que desperta e nos sensibiliza para a mudança. Mudança é uma questão de escolha quando se tem consciência. Todavia o autoconhecimento não é a mudança e muitos a confundem e ancoram sua vida nesta etapa. É preciso avançar para o segundo passo que é a disposição para mudar. Às vezes as pessoas preferem a âncora da “zona de conforto” e a vida pode impõe situações que nos obrigam a mudar. Mudar, de fato, em muitas situações é um processo doloroso, mas libertador. As crianças tendem a chorar quando percebem e tomam consciência que estão ficando adultas. O próximo passo da mudança é lançar o “navio em alto mar”, ou seja, a ação. Nenhuma mudança é possível sem ação. Dê o primeiro passo e os outros irão acontecer por conseqüência.

Um processo de mudança precisa ser sustentável. Deve ir além da intenção. No caminho da mudança será necessária a disciplina. A disciplina vai conduzir a consolidar hábitos novos e a consistência dos novos comportamentos. É a constância em praticar as ações da mudança constantemente, sem interrupções, é que levará ao novo porto da consolidação da mudança. Então, é hora de ancorar para viver o novo ciclo de uma pessoa mais amadurecida. Então, que âncoras da “zona de conforto” precisa içar para partir rumo a um novo horizonte?

Artigo de  Gregório Ventura e Eliane Ventura

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook