Arcebispo incentiva brasileiro a comer sal

comersal

Desde sua posse como arcebispo metropolitano de Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, há 10 anos, é comum ouvir dom José Alberto Moura fazer uma brincadeira séria ou trocadilho bem humorado ao comentar os problemas sociais do Brasil. Para ele, o brasileiro deveria comer muito sal para aumentar a pressão… não a arterial… a pressão social sobre os políticos, empreiteiras e multinacionais que mandam e desmandam em assuntos internos nacionais ao longo da história como se a nação fosse a casa de Pedro: quem quer mete o dedo!

Semelhante comparação fazia o bispo emérito de Duque de Caxias, dom Mauro Morelli, em entrevista ao jornal “Pasquim 21”, extinto. Ele dizia que se o povo brasileiro fosse menos bonzinho, já teria feito Brasília/DF ferver há muito tempo. Os brasileiros ainda não queimaram a capital federal, mas o ministro da Fazenda, Rui Barbosa, que batiza com o seu nome ruas em muitas cidades do país e divulgado como símbolo de homem público honesto, em 1890, “manda queimar todos os documentos sobre o período escravocrata brasileiro”, dois anos após a abolição da escravidão pela princesa Isabel. Rui Barbosa é retratado ironicamente na charge “Os Últimos Vestígios da Escravidão”, de Ângelo Agostini, publicada na revista “Ilustrada” e reproduzida no livro “Retrato do Brasil: da Monarquia ao Estado Militar, Volume 1, Ano 1984.

Machado de Assis declarava que “o Brasil real é bom, revela os seus melhores instintos e o Brasil oficial é caricato e burlesco”, citava o paraibano Ariano Suassuna ao se referir aos horrores cometidos pelo recém instituído exército republicano contra o Arraial de Canudos/BA em 1896 e 1897.  Bastantes conflitos localizados sempre ocorreram pelo Brasil ao longo da sua história contra o poder dominante. A maioria foi combatida até ser totalmente eliminados quaisquer focos de resistência.

No final do século XX e início deste século XXI, é organizado pela Igreja católica há 23 anos o Grito dos Excluídos, que quer andar na contramão da história oficial e ser o protesto da gente oprimida pela sociedade intimista que subjuga desde 1500 no maior país da América do Sul. Em Montes Claros/MG, militantes se uniram para reivindicar pelo direito à moradia em 1993. Em 2017, manifestantes ocupam área nas proximidades da Vila Castelo Branco e Distrito Industrial para solicitar o mesmo direito constitucional.

Em carta endereçada a padres, diáconos e agentes de pastoral, datada em 09 de agosto, dom José Alberto Moura é direto. “Solicito que convidem e motivem fieis, além de vocês, para participarem do Grito dos Excluídos e Excluídas”, que acontecerá na Praça da Matriz, às 7h30min, do dia 07 de setembro. Ali, hoje, mais de mil moradores de rua residem e são assistidos pela Pastoral do Povo de Rua. No município, é notório o aumento significativo de moradores por todos os cantos da cidade. Este ano, o Grito dos Excluídos enfoca “Vida em Primeiro Lugar: por direitos e democracia a luta é todo dia”.

“Os direitos e os avanços democráticos no Brasil conquistados nas últimas décadas são fruto de lutas populares. Exemplo disso foi a significativa participação da sociedade civil no debate para a elaboração e promulgação da Constituição Federal de 1988, o que contribui para a criação de novas leis, estatutos, bem como para o surgimento de espaços de participação popular. Embora muitas leis que garantam direitos sociais tenham sido regulamentadas, correm o risco de serem retiradas”, analisa dom José Alberto Moura na carta chamativa para o 23º Grito dos Excluídos.

“(…) Aqui em Montes Claros são 24 anos de realização do Grito. Por isto, é importante a organização dos grupos de periferia, dos grupos de base, das pastorais e movimentos sociais. Vamos nos unir neste momento na defesa dos direitos e da democracia, porque estas são lutas de todos os dias e não podemos nos calar neste momento”, convoca o arcebispo e anima.

“Ajudem a organizar as pessoas para participarem no dia 07 de setembro do Grito e entre os dias 1º e 06 de setembro. Serão vários os momentos de debates e mobilização. Ajudem a mobilizar  e venha fazer parte deste momento”, motiva na carta convocatória do dia 09 de agosto.

As pastorais e movimentos sociais da cidade se preparam desde o início do ano para este Grito. Nesta terça-feira (15/08), encontraram-se representantes das Irmãs Franciscanas Missionárias Diocesanas da Encarnação, da Cáritas Arquidiocesana, da Comissão Pastoral da Terra, do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas Gerais (CAA-NM), do Regional Norte do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE), do Regional Norte do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG), do Sindicato dos Servidores Municipais, do Levante Popular da Juventude, dentre outros organismos de ação social, para traçar as últimas estratégias de mobilização para o protesto do dia 07/09.

Antes, em 18/08, está agendada manifestação contra a privatização da Usina de São Simão, no Sul de Minas Gerais. No dia 21/08, acontecerá Roda de Conversa entre as Pastorais Sociais. Também nesse dia, às 18h, está marcada Roda de Conversa na Fundação Fé e Alegria. No dia 22/08, às 18h, a Roda de Conversa será no Sindicato dos Servidores Municipais.

Haverá no dia 02/09, das 8 às 12h, na Escola da Saúde da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Seminário dos Movimentos Sociais para trabalhar análise de conjuntura política-econômica-social e estudo dos eixos saúde, educação, previdência, terra, trabalho, moradia, água, mídia e violência.

Texto: João Renato Diniz / Jornalista

____________________________________________________________________
***Viviane Carvalho – Assessoria de Imprensa Arquidiocese de Montes Claros (38 Vivo) 9905-1346 (38 claro) 8423-8384 ou pelo e-mail: imprensacatolica@yahoo.com.br

Viviane CarvalhoArcebispo incentiva brasileiro a comer sal