Artigos

CUIDAR DO POVO

O olhar sociológico sobre a realidade do povo é importante, mas é só a primeira parte. De fato, precisamos conhecer a realidade ao redor de nós, mas também nos colocarmos dentro dela como protagonistas de sua transformação. Jesus o fez e teve compaixão do povo, percebendo que era como ovelhas sem pastor.

Hoje não podemos ficar cegos e alheios ao que acontece em nossa sociedade, família e comunidade. Temos muito de bom e de ruim, material, ética, moral, política e religiosamente. Vemos lideranças que se deixam corroer e corroem o tecido social e moral da  humanidade.

Por outro lado, é importante o processo “ver, julgar e agir”. Precisamos, depois do olhar sociológico, avaliar comparativamente o que é bom e o que fazer para focalizarmos valores que devem ser colocados e que ainda não o são  na realidade vista e analisada. O que está aí aos nossos olhos pode não estar satisfazendo adequadamente à convivência de cidadãos, criados por Deus para todos viverem e serem tratados com dignidade. Uns parecerem ser mais cidadãos do que os outros, comportando-se como se fossem superiores aos valores humanos e divinos. Vivem sem freios e são demais gananciosos para obterem de modo lícito e ilícito o que deveria ser um bem para maiorias sofredoras, que são lesadas em seus direitos e em sua dignidade! O “julgar” é parte necessária de nossa convivência cidadã.  Ao contrário, tornamo-nos massa  não pensante e não cooperamos para que aconteça justiça e promoção da dignidade humana. Paulo coloca a verdade de Jesus, que se torna como o fiel da balança, para nos ajudar a equilibrar nossa convivência por nos dar o exemplo de doação e reconciliação: “Quando éramos inimigos de Deus, fomos reconciliados com ele pela morte do seu Filho” (Romanos 5,10).

Ainda: não basta ver e refletir. Estamos dentro da realidade que vemos e examinamos. Nós mesmos somos parte do convívio social, que pode ser desumano ou humano, se nós mesmos o ajudarmos ou não a humanizar-se progressivamente. O “agir” deve ser consequente de nossa vida consciente e responsável no planeta. Não podemos nos fixar no pessimismo nem no otimismo sem consistência. Mas vamos ser realistas e perseverantes na certeza de que não estamos sozinhos para superar as crises, os transtornos sociais e mesmo os desmandos de muitos na sociedade. Nossa fé é o grande baluarte de nossa ação de amor. Contamos com a força divina para superar nossos males. Precisamos, é claro, usar de nossas capacidades e da união de esforços para atuarmos de modo responsável em bem de um mundo novo, em que cada uma pense e atue para o benefício de todos. Assim teremos uma sociedade mais justa e solidária.

O próprio Jesus nos estimula: “Tende confiança! Eu venci o mundo”! (João 16,33). Mesmo não sendo muitos os que aderem à pessoa e exemplo dele, com união de esforços dos que trabalham com a fé transformadora, o resultado se torna positivo, como o fermento no meio da massa. Deus não deixa faltar operários para a sua messe (Cf. Mateus 9,37-38).

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook