Artigos

Desafios do acolhimento: Expressão do amor que humaniza, cuida e cura.

Um dos desafios enfrentados nas relações interpessoais é a falta de uma afetividade madura. Quantas interações são secas, “robotizadas”, sem humanização. Tudo isto leva a falta de cuidado com o outro numa desatenção que vai afastando as pessoas. Este cenário tem sido presente nas relações do dia-a-dia, atingindo inclusive nossa igreja e a família.

Quando olhamos os vários gestos de Jesus em sua missão, temos vários indícios da importância do acolher, de dar acolhimento a alguém. Ele mesmo nos ensinou de uma forma concreta que independente de quem seja, ou como esteja aquele que se aproxima de você, ele é digno da sua atenção, de sua escuta autêntica, de um interesse genuíno e da compreensão de que ali diante de você esta o sagrado do outro. Exemplos disso, temos o encontro Dele com Maria Madalena, ou com a Samaritana, ou com as mulheres que choraram por vê-lo caminhar rumo ao calvário, ou ainda diante daquela multidão faminta para a qual garantiu o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, como que nos ensinando que o pouco que temos pode também se multiplicar se tiver amor, se nos interessarmos de fato pelo outro que se aproxima.

O exemplo do Mestre é cada dia mais atual, é um apelo para nós, especialmente cristãos, para imitá-lo. É um convite a deixar suscitar em nós uma mudança de mente e coração para acolher o outro, compreendendo com um gesto aparentemente simples de olhar no olho do outro, chama-lo pelo nome, dedicar aquele tempo (às vezes poucos minutos) para ouvir o que o outro trás de queixa, demanda, angustia; um gesto de amor que é precioso e pode significar muito para aquele que às vezes chega tão quebrado, desvalorizado e que deseja ser recebido com atenção, carinho e calor humano.

Como é bom quando chegamos a determinado lugar e nos sentimos olhados, atendidos naquela necessidade que fomos buscar, mesmo que a resposta seja não, não posso, não é possível, mas com a gentileza de quem se ofereceu por alguns instantes a nos acolher e se interessou de fato por nós. Sentimo-nos respeitados, amados e considerados.

Nossas igrejas, nossas secretarias, devem ser a extensão dos gestos de Jesus, devem ser espaços de amor, de acolhimento para aqueles que as procuram. O amor cura! Essa expressão tão antiga é ao mesmo tempo muito atual. E o acolhimento como expressão de amor, é capaz de curar, é capaz de aliviar, de trazer luz, direção, paz…

Sentir-se acolhido é uma experiência, não uma teoria. A experiência pessoal em qualquer atendimento pode incluir ou afastar. Quantas pessoas são perdidas por falta de calor humano, em quantos relacionamos é preciso aumentar a qualidade… urge a necessidade de aprender a acolher como na parábola do Bom Samaritano aqueles que se aproximam. É preciso transformar atitudes que se preocupam apenas com o processo que levam à forma de falar pouco calorosa para humanizar a informação; onde informação seja comunicação e orientação sentida na forma de falar de quem demonstra verdadeiro compromisso em ajudar o outro. Que a porta do coração se abra para acolher as pessoas, facilitar e não dificultar, comunicar e não apenas informar, orientar e não apenas dizer “Não”; que acolher não se resuma apenas a uma equipe, mas seja uma postura e expressão de amor que nos envolva por inteiro, como pessoa, como grupo, como igreja, como família, como profissional e sobretudo como cristão.

A igreja nos orienta que “Qualquer pessoa que procure a comunidade eclesial deve ser recebida por alguém que a escute e ajude a encontrar uma solução para a sua necessidade” (CNBB, doc. 71, p. 54). Este é o convite para você hoje: acolher com amor àqueles que de você se aproximar. Experimente ver no outro o rosto de Jesus, e com certeza, o próprio Jesus te olhará, te conduzira para experimentar a força do amor que cura, liberta e transforma!

*Gregório Ventura, Master Coach. Eliane Ventura, Psicóloga.

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Voz do Pastor

Dom José Alberto

Arcebispo de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

 

ENQUETE

Estamos celebrando até 25 de novembro de 2018 o Ano Nacional?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook