Artigos Artigos de Dom João Justino

Do amor nasce o desejo de unidade

          O tempo pascal prolonga-se até a festa de Pentecostes. Particularmente nesse tempo, o anúncio do Ressuscitado ecoa na pregação da Igreja. Nós, cristãos, vivemos deste mesmo e único mistério: “Deus o constituiu Senhor e Cristo, este Jesus a quem vós crucificastes” (At 2, 36). Sabe-se, no entanto, que embora proclamando o mesmo núcleo da fé cristã e professando-se discípulos do Senhor, os cristãos dolorosamente se dividiram em diferentes denominações. Diante das divisões, não faltou o empenho de muitos pela “reintegração da unidade”. Esse é o grande sonho do movimento ecumênico, iniciado por outras Igrejas e acolhido pelo Concílio Vaticano II (1962-1965), que o compreendeu como o conjunto das “atividades e iniciativas suscitadas e ordenadas em favor das várias necessidades da Igreja e oportunidades dos tempos, no sentido de favorecer a unidade dos Cristãos” (Unitatis redintegratio 4). O Concílio explicitou que a conversão do coração e a santidade de vida, junto com a oração comum, são como a “alma do movimento ecumênico”.

            Nesse mesmo sentido, São João Paulo II escreveu para toda a Igreja, em 1995, a Carta Encíclica Ut Unum Sint sobre o empenho ecumênico. Não hesitou em afirmar que “a Igreja Católica assume o compromisso ecumênico como um imperativo da consciência cristã, iluminada pela fé e guiada pela caridade” apontando o caminho ecumênico como o caminho da Igreja (UUS 7). Abrindo horizontes para esse compromisso ecumênico, ele afirmou: “Avança-se pelo caminho que conduz à conversão dos corações ao ritmo do amor que se dedica a Deus e, ao mesmo tempo, aos irmãos: a todos os irmãos, inclusive àqueles que não estão em plena comunhão conosco. Do amor nasce o desejo de unidade, mesmo naqueles que sempre ignoraram tal exigência. O amor é artífice de comunhão entre as pessoas e entre as Comunidades. Se nós amamos, tendemos a aprofundar a nossa comunhão, a orientá-la para a perfeição. […] O amor é a corrente mais profunda que dá vida e infunde vigor ao processo que leva à unidade. Este amor encontra a sua expressão mais acabada na oração em comum” (UUS 21).

            O imperativo cristão do amor – “Nisto reconhecerão todos que sois os meus discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros” (Jo 13, 34) – está em perfeita sintonia com a oração de Jesus: “Que todos sejam um” (Jo 17, 21). A exigência, pois, que se impõe é de que o verdadeiro amor pelos irmãos se projete no desejo de construção da unidade. Em decorrência, compreende-se por que o ecumenismo não se trata de uma estratégia, mas de uma espiritualidade. Quem não beber da fonte do Evangelho e não se alimentar do sonho de Jesus dificilmente compreenderá o estreito vínculo entre a prática do amor e a construção da unidade.

Uma oportunidade muito especial de orar pela unidade, mas também de orar junto com irmãos e irmãs de denominações cristãs diferentes, nos é oferecida a cada ano no contexto do tempo pascal. Trata-se da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, semana que antecede Pentecostes, festa do Espírito Santo, o protagonista primeiro da unidade. Cada católico deveria comprometer-se de alguma forma a participar da Semana de Orações nas paróquias, comunidades, escolas ou mesmo em sua própria família. Antes de tudo, amemos nossos irmãos e veremos crescer em nós o desejo pela unidade.

+ João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook