Artigos de Dom João Justino

Férias e descanso

O mês de janeiro é comumente identificado como próprio para férias, sobretudo, escolares. Vivemos em um país de clima predominantemente tropical e, no verão, o sonho de férias se confunde com praias, cachoeiras e montanhas. Nada mais sugestivo para indicar tempo de repouso que água e ar puro. É tudo o que pessoas cansadas pelo longo tempo de trabalho precisam para se revitalizar. Férias são uma necessidade humana e não um artigo de luxo.

A sociedade hodierna é marcada pelo trabalho incessante e pela exacerbação das atividades, lúdicas, inclusive. Desse frenesi do ritmo urbano nasceu um tipo de reação psíquica e orgânica chamado stress. Até mesmo crianças reclamam de stress, especialmente quando submetidas a um regime exaustivo que soma às aulas regulares outras atividades como academia, esportes, cursos de idiomas, de dança, aulas de música, para citar alguns exemplos. Jovens e adultos começam o dia nas academias, que funcionam desde as primeiras até as últimas horas do dia. Há supermercados, drogarias, postos de gasolina “24 horas”. Festas terminam com o café da manhã. Agências oferecem pacotes de viagens com programações extenuantes. Há aqueles que sofrem de ansiedade ao pensar que não têm o que fazer num domingo comum. O ser humano contemporâneo parece desconhecer o que vem a ser o ócio como experiência fecunda de criação.

Ora, o necessário descanso toca diversas e importantes dimensões da vida. A dimensão físico-corpórea é, talvez, a mais imediatamente percebida. Nossos corpos são frágeis. Gastamos energias e envelhecemos. Se não praticamos exercícios, perdemos muito da elasticidade dos músculos e da pele. Os especialistas repetem sobre a importância da atividade física para a manutenção de uma vida saudável. O próprio sono recompõe energias e ajuda no equilíbrio das emoções. O silêncio contribui para o relaxamento e a recuperação das formas de percepção da pessoa.

Do ponto de vista existencial, férias e descanso têm relação com a liberdade de deixar que o outro continue meu trabalho. E que o outro faça a seu modo. Muitos não conseguem “sair” de férias, porque entendem que ninguém pode “entrar” no espaço de seu trabalho. Tornam-se escravos do ofício, produzem menos, sofrem muito e não gozam das alegrias de sair e retornar de férias.

O descanso tem, ainda, uma dimensão religiosa muito interessante. Com efeito, na bíblia sagrada encontra-se no livro do Gênesis a narrativa da criação, com o detalhe do descanso do Criador no sétimo dia. O sábado tem uma dimensão de alegria, de gozo e de louvor pela obra realizada nos dias anteriores. A semana da criação termina com o descanso de Deus. As teologias judaicas e cristãs consideram a dimensão sabática como fundamental para a experiência da criatura, que muito pode, mas não pode tudo. E a demanda pelo descanso é o acento para marcar a condição de finitude do ser criado. Não somos deuses. E até Deus – que não tem razões para se cansar ou descansar – descansou!

Por esses motivos e por outros, encontre uma forma de desfrutar de férias. Em janeiro ou em outro mês, conceda a si mesmo o tempo de desligar-se da rotina do trabalho, mesmo doméstico, para contemplar outros horizontes, escutar experiências diferentes, degustar novos sabores, tocar texturas nunca imaginadas, tirar os calçados e pisar a terra, que um dia nos acolherá para a passagem ao descanso definitivo.

João Justino de Medeiros Silva – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook