Artigos de Dom João Justino

Francisco dos pobres

Em fevereiro de 2013, o mundo se assustou com o inesperado anúncio da renúncia do Papa Bento XVI. A Igreja se preparou, não sem apreensão, para acolher o novo Papa. Nova surpresa houve quando foi anunciada a eleição do primeiro papa latino-americano e, também, o primeiro jesuíta, Jorge Maria Bergoglio, Cardeal Arcebispo de Buenos Aires, que escolheu para si o nome de Francisco. É emocionante o relato do novo Papa acerca da escolha de seu nome. Aqui o transcrevo:

“Alguns não sabiam por que o Bispo de Roma se quis chamar Francisco. Alguns pensaram em Francisco Xavier, em Francisco de Sales, e também em Francisco de Assis. Deixai que vos conte como se passaram as coisas. Na eleição, tinha ao meu lado o Cardeal Cláudio Hummes, o arcebispo emérito de São Paulo e também prefeito emérito da Congregação para o Clero: um grande amigo, um grande amigo! Quando o caso começava a tornar-se um pouco «perigoso», ele animava-me. E quando os votos atingiram dois terços, surgiu o habitual aplauso, porque foi eleito o Papa. Ele abraçou-me, beijou-me e disse-me: «Não te esqueças dos pobres!» E aquela palavra ficou gravada em minha cabeça: os pobres, os pobres. Logo depois, associando com os pobres, pensei em Francisco de Assis. Em seguida pensei nas guerras, enquanto continuava o escrutínio até contar todos os votos. E Francisco é o homem da paz. E assim surgiu o nome no meu coração: Francisco de Assis. Para mim, é o homem da pobreza, o homem da paz, o homem que ama e preserva a criação; neste tempo, também a nossa relação com a criação não é muito boa, pois não? [Francisco] é o homem que nos dá este espírito de paz, o homem pobre… Ah, como eu queria uma Igreja pobre e para os pobres!” (Encontro com os representantes dos meios de Comunicação Social, 16.03.2013).

Esse discurso do Papa Francisco ilustra sua compreensão da identidade e da missão da Igreja e, portanto, de todos os católicos. O Papa tem ensinado todos os dias, por gestos e palavras, o caminho de fidelidade a Jesus Cristo, “aquele que se fez pobre para nos enriquecer com sua pobreza” (cf. 2Cor 8,9). E para incrementar o ambiente eclesial de compromisso com os pobres, o Papa instituiu, ao concluir o Ano da Misericórdia, o Dia Mundial dos Pobres, para ser celebrado a cada ano, no 33º domingo do tempo comum.

Diferentes e múltiplas iniciativas mobilizaram as comunidades pelo mundo afora no último dia 18 de novembro. A Arquidiocese de Montes Claros, mais uma vez, somou forças para fazer desse dia uma fecunda oportunidade de mobilização, conscientização e compromisso com os mais pobres. Todos sabemos que não basta dedicar um dia aos pobres. É preciso fazer muito mais. A articulação, entre si, de todos os setores das comunidades e com o poder público é fundamental para a defesa dos direitos dos pobres e para a superação da desigualdade social, infeliz marca da sociedade brasileira. Urge identificar quem são eles e onde estão. Reconhecer o rosto de cada um deles, o nome e a história abrirá perspectivas de promoção humana e social desses irmãos – sacramentos de Jesus Cristo – num mundo consumista e excludente, opulento e desigual. Diante disso, a Igreja e o mundo se deixem interpelar, mais uma vez, por outro Francisco dos pobres.

Dom João Justino de Medeiros Silva  – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook