Artigos Artigos de Dom João Justino

Fraternidade e Políticas Públicas

A Igreja no Brasil vive intensamente o tempo quaresmal. As comunidades já esperam esse tempo em que se realiza a Campanha da Fraternidade. Desde 1964, esse dispositivo pastoral proporciona forte impulso evangelizador e desperta os membros da Igreja no Brasil para a vivência da fraternidade, em sintonia com o mandamento de Jesus, o amor ao próximo. No coração de muitos fiéis ressoam campanhas passadas que deixaram marcas tão positivas no seio das comunidades. Três exemplos para recordar: 1985 – Pão para quem tem fome; 1994 – A família, como vai?; 2001 – Vida sim, drogas não! A Campanha da Fraternidade é um recurso pastoral tão rico que o Conselho Nacional das Igrejas Cristãs – CONIC – realizou algumas campanhas em comunhão com a Igreja Católica.

Toda campanha supõe a mobilização ao redor de um objetivo, por tempo determinado. Nesse caso, o tempo é a quaresma, período de oportuno chamado à conversão pessoal. O objetivo geral da Campanha da Fraternidade de 2019 é estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade.

Alguns poderiam estranhar que no tempo de preparação para Páscoa a Igreja no Brasil proponha um tema como esse. Ora, existe uma profunda relação entre viver a fraternidade e construir uma sociedade justa e fraterna. A Páscoa de Jesus nos compromete no anúncio de novo céu e nova terra, da vitória da vida sobre a morte, da liberdade sobre qualquer forma de escravidão. Os cristãos poderiam se dispensar do compromisso de apresentar às pessoas o ideal da justiça evangélica? Inspirados na palavra do profeta Isaías, queremos proclamar: Serás libertado pelo direito e pela justiça (Is 1,27).

A Campanha da Fraternidade não faz sombra ao sentido da quaresma. Antes, potencializa o apelo à conversão, ao identificar realidades pessoais e sociais que precisam ser iluminadas pelo Evangelho. Com certeza, todo debate sobre Políticas Públicas é um debate sobre a fraternidade. As Políticas Públicas são ações e programas desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em prática direitos que estão previstos na Constituição Federal e em outras leis. O fiel que, na abertura da quaresma, se inclina para receber as cinzas precisa rever seu compromisso com a lealdade, com a justiça, com o próximo. E deverá erguer a cabeça para dialogar, compreender e descobrir ações que estão ao seu alcance para a construção de uma sociedade em que os mais necessitados sejam atendidos com prioridade.

Papa Francisco nos diz que “a quaresma é o tempo favorável para os cristãos saírem da própria alienação existencial”. Sair da alienação significa passar por um processo de conversão e abrir-se para a vivência da fé nas suas dimensões pessoal, eclesial e social. O risco de uma fé alienada é real. E os apelos da palavra de Deus no tempo quaresmal são um despertar para o compromisso com Aquele que nos amou e por nós se entregou ao Pai. Que a quaresma seja um tempo de vida nova na fé em Jesus Cristo e tenha como consequência pessoal um novo estilo de cidadania, em que cada um se comprometa a oferecer sua parte na edificação de uma sociedade inspirada no cuidado de Jesus para com os mais pobres e com todos aqueles que vivem à margem da sociedade.

+ João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook