Notícias

Guarda Mirim de Montes Claros é exemplo de responsabilidade social

Por quase três décadas, a Guarda Mirim de Montes Claros, assistiu 2.362 (dois mil trezentos e sessenta e dois) adolescentes/jovens, um total de 47 turmas formadas desde que foi criada. No ano arquidiocesano das juventudes, queremos saber mais sobre essa entidade filantrópica que forma, qualifica e insere, no mercado de trabalho, os menores aprendizes em busca da primeira experiência profissional.  A arquidiocese de Montes Claros começa também a absorver esses menores, no quadro de servidores somam 8 adolescentes/jovens. A Associação mantedora da Guarda Mirim de Montes Claros, declarada de utilidade pública Federal, Estadual e Municipal, inscrita no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e Conselho Nacional de Assistência Social é uma Entidade Filantrópica que ampara adolescentes carentes. Os menores recebem um salário mínimo, com garantia dos direitos trabalhistas e previdenciários. Os membros da Guarda Mirim além da assistência diária, também frequentam as oficinas profissionalizantes na sede da Associação.  Mas, sobre isso, falaremos em outras publicações. Neste momento, vamos nos ater a quem fundou e como funciona essa Associação que já beneficiou muitos jovens que tiveram a oportunidade de passar por empresas de médio e grande porte e se tornaram funcionários de destaque dentro da instituição. Nesta matéria, conversamos com a fundadora da Guarda Mirim em Montes Claros, delegada aposentada, Maria Neusa Rodrigues.

Foto: arquivo pessoal de Dra. Neusa Rodrigues

Natural de Juramento/MG, a filha caçula de Domingos de Souza e Ercília Rodrigues Santana, mudou com sua mãe e seus quatro irmãos, ainda criança para Montes Claros, em razão da separação dos pais. Neusa concluiu o curso primário na Escola Estadual Simeão Ribeiro, ginasial e colegial normal na Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro e o curso superior de Direito na faculdade de Direito do Norte de Minas – FADIR, atualmente, UNIMONTES. Ingressou na Polícia Civil de Minas Gerais como escrivã de polícia e, em 1985, foi aprovada no concurso para Delegada, designada para Montes Claros, atuando em todas as Delegacias da cidade como titular e, em agosto de 1987 instalou a Delegacia de Repreensão aos Crimes Contra a Mulher. Em 2004, aposentou-se. Mas a missão, iniciada há quase trinta anos, continua e bem viva.  Abaixo, relatamos a entrevista com essa mulher de fé e garra, que viu no dia a dia do seu trabalho, a oportunidade de “mudar” vidas, transformando as realidades encontradas por ela, nas conversas com menores.

 

 

O INÍCIO DA GUARDA MIRIM: A Associação Mantenedora da Guarda Mirim de Montes Claros, que tem o nome fantasia de “Guarda Mirim”, foi criada por minha iniciativa e com a minha participação e a de amigos e amigas por mim procurados e dispostos a abraçar a ideia e a causa, em 17 (dezessete) de junho de 1992, com a finalidade de amparar o(a) adolescente/jovem carente, visando seu aprimoramento sob todos os aspectos necessários à convivência social, buscando fazer  com que os integrantes  tornem-se cônscios dos seus direitos e deveres, respeitadores das leis, das autoridades e das instituições, incentivados ao estudo e capacitados para o mercado de trabalho, com vistas à vida produtiva.

COMO NASCEU A IDEIA? Como delegada, procurava saber a respeito do dia a dia dos adolescentes que eram levados para a delegacia, mergulhando na essência de cada um, em busca de uma troca emocional significativa. Fui percebendo muita carência afetiva, falta de assistência dos pais, que na realidade são os primeiros educadores dos filhos, até mesmo ausência deles (pais), pois, muitos desses adolescentes eram órfãos, outros abandonados pelos genitores. Não recebiam o direcionamento necessário para uma vida digna, atributos norteadores do ser humano na sociedade. Meninos e meninas atordoados, que se enveredavam para o caminho das infrações penais. Assim, através das longas conversas em meu gabinete, conclui que era preciso fazer algo mais do que o formalismo dos procedimentos. Professando a religião católica, não me sentia feliz em atuar tão somente na aplicação da lei penal, faltava algo mais. Daí surgiu a ideia da criação da Guarda Mirim, com o objetivo de melhorar tal situação, convoquei para participarem do projeto, pessoas físicas e jurídicas desta cidade.

O QUE FAZ ESSA ENTIDADE EFETIVAMENTE? A Guarda Mirim ampara o (a) adolescente através do Curso de Capacitação Profissional – Guarda Mirim ou do Programa de Aprendizagem Para Formação do (a) adolescente/Jovem – Guarda Mirim, conforme seu estatuto, porém, atualmente aplica-se só o programa de aprendizagem, que possibilita encaminhar o (a) adolescente para o primeiro emprego como aprendiz.

QUEM SÃO OS CONTEMPLADOS PELA GUARDA? São meninos e meninas com idade de 15 a 17 anos, pertencentes a família natural ou substituta, com renda per capita compatível, matriculados, frequentando regularmente as aulas em escola pública regular, e que se comprometam a obedecer às normas.

EM QUAL CONDIÇÃO O ADOLESCENTE PODE FAZER PARTE DA GUARDA? O (a) pretendente apresenta o boletim escolar, o qual deverá conter notas satisfatórias que indiquem tratar-se de um (a) adolescente comprometido para com os estudos, disciplinado na escola. Procede-se na inscrição, com sindicância para confirmar a veracidade das informações prestadas.

QUAL O MAIOR DESAFIO QUE A ENTIDADE ENFRENTA HOJE? O maior desafio da Guarda Mirim, que é uma entidade filantrópica, sempre foi a falta de recursos financeiros, sobrevive em razão de doações esporádicas de pessoas da sociedade, com despesas superando a receita a cada dia. Os amparados recebem gratuitamente toda assistência individual e coletiva, material didático, uniforme, lanche, dentre outros. A associação arca com pagamento do aluguel onde funciona a sede, IPTU, professores, luz, água, telefone, funcionários, despesas com o carro utilizado nos trabalhos administrativos e tantas outras. Não há apoio financeiro federal, estadual ou municipal. Na verdade, ela está insistindo em existir, pois, é muito difícil exercer a filantropia no Brasil, especialmente, quando a entidade é apartidária.

COMO A SOCIEDADE PODE AJUDAR A GUARDA MIRIM E COMO A GUARDA PODE AJUDAR A SOCIEDADE? A sociedade montesclarense pode socorrê-la por intermédio de recursos espirituais (orações) e financeiros, seja de que quantia for. As empresas, o podem concedendo vagas para que os adolescentes ávidos por uma oportunidade de primeiro emprego possam ser encaminhados como aprendizes. Em contrapartida, a Guarda Mirim entregará a essa mesma sociedade adolescentes/jovens disciplinados, respeitadores das leis que regem a sociedade.

QUANTOS MENORES JÁ FORAM ASSISTIDOS PELA ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DA GUARDA MIRIM ATÉ HOJE? QUANTAS TURMAS JÁ FORAM FORMADAS?  O projeto tem atingido seu objetivo, pois, os adolescentes/jovens amparados e encaminhados ao trabalho como aprendizes até a presente data, somam 2.362 (dois mil trezentos e sessenta e dois) adolescentes/jovens, compreendendo 47 turmas. Deste número, vários tornaram-se funcionários dos setores onde atuaram, outros, profissionais liberais em diversas áreas, Militares da Polícia Militar, não só em Minas Gerais, mas, também em outros Estados, como São Paulo; Bombeiros Militar, Militares do Exército Brasileiro e Aeronáutica. Além daqueles que já constituíram famílias.  Incentivados pela Associação a prosseguirem nos estudos, muitos concluíram faculdades diversas, mestrado e doutorado.

O QUE PASSA EM SEU CORAÇÃO SENDO RESPONSÁVEL POR TANTA COISA? TEM NOÇÃO DE TER CONSEGUIDO MUDAR E TRANSFORMAR A VIDA DE MUITAS PESSOAS QUE HOJE SÃO PAIS E MÃES DE FAMÍLIA, CIDADÃOS DE BEM QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE PASSAR PELA GUARDA MIRIM? Olha, lidar com o outro é uma questão complexa, são adolescentes que chegam, às vezes acompanhados por alguém, porém, muitos, sozinhos e essa realidade (buscando por conta própria) emociona-me sobremaneira, pois, são tantos os atrativos oferecidos pelas ideologias mundanas e eles, em tenra idade, em busca de trabalho. Todos carregando no alforje pessoal uma história de vida sofrida, rogando uma chance para acharem o caminho que direciona para a dignidade. Quando os vejo atingindo os objetivos, agradeço a Deus pela oportunidade de ter podido ajudá-los.

GRATIDÃO: No momento que alguém retorna para compartilhar a conquista da vaga onde atuou como aprendiz, o ingresso na universidade, trazendo o convite de casamento ou formatura, informando ter conseguido êxito em concursos, acabo derramando lágrimas, pois, sou bastante emotiva. É certo que há momentos em que acredito não ter condições de prosseguir, porém, vem a Força de Deus, do alto, que faz ressurgir o ânimo. É um projeto lindo que, humanamente falando, seria impossível de realizar-se, no entanto, contamos com a Mão Divina que nos ergue a todo instante e Nossa Senhora acompanhando atentamente, passando à frente de cada dificuldade.

FÉ E TRABALHO: Na maioria das vezes antes de ir à Guarda, participo da Santa missa no Priorado Premonstratense às 11h15 ou visito o Sacrário, para reabastecer-me, caso contrário, já teria desistido. Desta feita, humildemente digo que é Deus quem realizada tudo, usando-me e aos abnegados companheiros, sejam funcionários ou voluntários como instrumentos d’Ele.  Tenho noção que essa pequena equipe já resgatou, transformou vidas, mas, pelo fato de Deus “ser tudo em todos”… (1 Cor).

QUE MENSAGEM DEIXA AOS JOVENS NO SENTIDO DO COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE SOCIAL, SOBRETUDO, NESTE ANO EM QUE NOSSA ARQUIDIOCESE ESTÁ VOLTADA PARA O ANO ARQUIDIOCESANO DAS JUVENTUDES?  Daí me vem à mente o texto de Eclesiástico 6, 18-37, que fala sobre aprendizado da sabedoria: “ a disciplina é considerada para os insensatos como penosa e quem não tem bom senso desistirá dela…” Aos jovens oriento: reflitam sempre sobre os preceitos do Senhor, sejam disciplinados, estudiosos, comprometidos para com os bons exemplos e como recompensa, virá o êxito com a fortificação da inteligência. No tocante à arquidiocese, palmas… palmas! Esse projeto mostra à juventude que alguém se interessa por ela, e a semente da compaixão germinará!

Esta é a primeira entrevista de uma série que estamos preparando. Logo, partilharemos depoimentos daqueles que vivenciaram essa experiência nestes 26 anos de história da Guarda Mirim em Montes Claros.

Foto: Divulgação internet

__________________________________________________________
***Viviane Carvalho – Assessoria de Imprensa Arquidiocese de Montes Claros (38) 99905-1346 (38) 9 8423-8384 ou pelo e-mail: [email protected]

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook