Artigos

MAIOR COMPETIÇÃO

Competição não é briga e sim esforço para vencer uma disputa em harmonia e respeito à outra parte, que também tem o mesmo propósito. Nessa perspectiva o adversário não é inimigo, mas irmão. Muitas vezes se “perdem a cabeça” e a racionalidade quando se faz uma competição. Isso acontece também no esporte e na política, surgindo até agressão física e morte. É a competição irracional e animalesca.

Precisamos ajudar na formação do caráter das pessoas para a convivência cidadã, em que, mesmo na variedade de opiniões, ideias e ideais, elas convivam de forma civilizada e respeitosa, até nas diferenças religiosas.

A melhor e maior competição é a de a pessoa se esforçar para fazer  o bem maior aos outros. Como é bom ver pessoas e instituições que não medem sacrifícios para contribuir com a promoção do semelhante, com iniciativas e atividades que ajudam realmente a melhoria de vida e superação de dificuldades. Fazem a diferença enquanto não buscam a grandeza de si próprias e sim a do próximo. É a competição do amor, tão caraterizada pela pessoa de Cristo e seus ensinamentos! Ele diz que mais ganha quem mais dá de si e até perde pelo bem do outro, como o bom samaritano.

Se formarmos as pessoas nessa dinâmica de grandeza em mais servir através de suas famílias, profissões e vocações, teríamos mais desses servidores do povo, principalmente em situações de lideranças, como os políticos e outros.  Os recursos públicos seriam melhor usados para a promoção do povo, com os impostos bem usados em  bem dos serviços mais importantes e necessários para suprirem suas necessidades e terem vida digna. As  lideranças e elites de todas as áreas teriam mais altivez, não apresentando fome insaciável por salários que vão muito acima do que a maioria do povo recebe. Muitos não recebem quase nada do necessário para viver com modéstia, mas com o mínimo de dignidade.

O apóstolo Paulo lembra que “nada devemos fazer por competição ou vanglória, mas com humildade” (Filipenses  2,3). Para isso acontecer, precisamos valorizar mais a grandeza de entesourar o amor vivenciado do que o dinheiro e os interesses  de se sentir mais importante, usufruindo de vantagens diante dos outros,  “não cuidando somente do que é seu, mas também do que é do outro”, principalmente do bem comum (idem 2,4. Quem segue o exemplo de Jesus, procura imitá-lo nessa mesma atitude.

Precisamos fazer uma verdadeira empreitada educativa de formação para a alteridade, a ética e a promoção da consciência do cuidado com o bem comum. Ao contrário, vamos ter uma sociedade cada vez mais cheia de pessoas egoístas e inimigas umas das outras. Temos que acreditar numa educação para o amor, onde exista a boa competição entre todos e se valorize mais o servir do que o ser servido. Assim as consequências serão as melhores para quem mais dá de si pela promoção do outro e do meio ambiente. A ideia e a prática do cuidar do humano e do planeta são o  cuidar de si mesmo!

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montesa Claros, MG

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook