Artigos Artigos de Dom João Justino

O dom da paternidade

            Em meio à beleza dos mistérios da vida se encontra o dom da paternidade, vivido pelos homens que geram, acolhem e educam seus filhos. Esse maravilhoso processo de geração da vida que, naturalmente, envolve o casal – homem e mulher – é fundamental para perpetuar a humanidade. Por isso mesmo, a procriação humana não pode ser reduzida a questões de política pública quando, na verdade, se trata do nascimento de uma nova pessoa, chamada a conviver com inúmeras outras.

            A relação é determinante na paternidade. Um homem somente se torna pai quando do nascimento de seu filho. A existência do filho e, portanto, de cada um de nós, está diretamente associada à existência do pai. Só há pai se há filho. E se há filho é porque há pai. Isso que é tão óbvio, às vezes escapa à compreensão de pessoas que não se dão conta da beleza da relação inscrita nos nomes do pai e do filho. Quando um pai renega o filho, não o reconhecendo, ele instaura um vazio de relação cujo resultado não será bom, sobretudo para o filho. Este precisará daquele para reconhecer-se na sua identidade pessoal e registrar, não apenas na certidão de nascimento, mas na própria personalidade, que entrou na história marcado pelo nome do pai. Isso significará, entre tantos sentidos, que a vida é um dom recebido, é pura gratuidade. Significará, ainda, que existe uma voz masculina única que me chamará de “meu filho” e me tomará em seus braços e me dará uma das mais fortes experiências da vida, chamar aquele homem de “meu pai”. Ele haverá de dizer “venha” ou “vá” e, também, “não venha”, “não vá”. O pai, no exercício de sua paternidade, inscreverá no mais profundo do filho que a vida é maravilhosa, e que ela tem preciosos limites.

Ter um filho e tornar-se pai é vivência singular de participação na obra da criação. Aqueles homens que por razões diversas não podem gerar e escolhem adotar algum filho abraçam a paternidade de modo tão nobre quanto os que geram. E há, inclusive, aqueles que alargam o conjunto dos filhos com a adoção de outros, numa bela expressão de generosidade no cuidado da vida. Que ninguém “fique sem pai”.

Algumas figuras religiosas recebem a designação de pais. O padre, por exemplo, tem seu apelativo tomado do vocábulo latino “pater”, ou seja, pai. Na língua italiana se usa a mesma palavra para designar o progenitor e o sacerdote religioso: “padre”. Na teologia católica, o bispo é designado como pai, e em alguns ritos é assim chamado, inclusive. Nesses quadros, o que se registra é que a função religiosa tem relação com a vida espiritual. Um sacerdote, padre ou bispo, há que apropriar-se da missão de cuidar como um pai da vida espiritual dos membros de sua igreja. Em termos vocacionais, já se disse que um jovem que não tenha condições de abraçar o matrimônio e gerar filhos demonstra pouca habilidade para o ministério de padre. Abrir mão do matrimônio e da paternidade é renunciar a uma maravilhosa oportunidade, visando oferecer a própria vida e todas as suas energias para gerar filhos espirituais. Isso requer coragem e decisão, renúncia e vigor, alegria e disponibilidade. Mas esses traços são, também, requeridos para uma paternidade responsável. Enfim, pais e padres, haveremos de cuidar dos filhos e ser capazes de apontar para o único Pai que é o Senhor da vida e da história.

+ João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook