Artigos

O poder do silêncio e da escuta ativa

“Quem despreza seu próximo demonstra falta de senso; o homem sábio guarda silêncio.” Provérbios 11,12.

O silêncio é uma atmosfera que pode assustar. É um sujeito que pode ser ativo. É um clima necessário no diálogo. Nem sempre o diálogo é uma conversa produtiva ou de valor, porque simplesmente há muito barulho entre os interlocutores. O diálogo verdadeiro é permeado pela capacidade de escuta ativa. Um silêncio compreensivo, que se faz presente, ativo e que não interrompe a todo instante, mas coloca a todos em uma sintonia capaz de ajudar a crescer, a se perceber, a descobrir e explorar. O silêncio pede espaço.

Escutar é um comportamento da sabedoria. Tudo começa quando sou capaz de perceber minhas emoções, sentimentos e pensamentos, prestando atenção ao meu diálogo interior. Em um ambiente de tanto barulho muitos não conseguem ficar mais em silêncio. Sentem-se incomodados quando não há barulho. Não são capazes de dialogar consigo trilhando o caminho do autoconhecimento. Quantas pessoas levam para sua oração pessoal um barulho interior tão intenso que não conseguem escutar a Deus. Como o silêncio interior é necessário para nosso amadurecimento pessoal, para nossa relação com Deus e com os outros. Jesus nos ensinou o valor da escuta ao longo de sua vida. Antes de iniciar sua missão passou quarenta dias no deserto escutando e dialogando com Deus. Em muitos momentos de sua missão repetia os momentos de escuta do Pai. Em suas interações com as pessoas sabia ouvi-las, compreende-las e “ler” seus corações. Era um comunicador assíduo, pregador incansável, que era sábio para silenciar.

Quando verdadeiramente a escuta ativa é um dom desenvolvido o diálogo fica mais produtivo. Deixo o outro se revelar tão como ele é; sem julgamentos. No diálogo com o outro, fixado no seu olhar, meus pensamentos agitados se silenciam e estabeleço a conexão e a atmosfera para um diálogo autêntico. A conexão do diálogo permite fazer uma pergunta inteligente a partir da escuta ativa, e a colocação será tão mais inteligente quanto fui capaz de escutar, sem interrupções da minha fala ou do meu pensamento interior. É diálogo maduro, sábio, de grande valor.

O poder do silêncio está na capacidade de promover o autoconhecimento, o discernimento, a reflexão e a escuta ativa nas relações. O silêncio da observação e percepção de tudo que está ao meu redor, atencioso ao que o outro fala e como o está falando; a contemplação do que é belo, a presença de Deus em tudo. Assim, passo a ser um presente para o outro sendo verdadeiramente uma presença, construindo relação saudáveis e maduras comigo, com o outro e com Deus.

Gregório Ventura – Master Coach

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook