Artigos Artigos de Dom João Justino

O poder radiante da cruz

Durante o tempo quaresmal e, especialmente, na Semana Santa, o povo cristão volta-se para a cruz de Cristo com especial devoção e veneração. É perceptível como é forte a sensibilização das pessoas com o sofrimento do Senhor. A sexta-feira da paixão conta sempre com a presença e participação maciça de fiéis. Na verdade, os cristãos reconhecem Jesus como homem das dores, pois sua vida, como nos relatam os evangelhos, foi toda orientada para a cruz. Ele disse: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8, 34b).

“Creio em Jesus Cristo… que padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado. Desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia…” Essas palavras do Credo, qual profissão de fé cristã, condensam o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Na vida litúrgica da Igreja, essas palavras apontam para o conteúdo de fé celebrado no Tríduo Pascal. A Ceia do Senhor, celebrada na quinta-feira à noite, antecipa o mistério da entrega do corpo e do sangue derramado de Jesus na cruz. Na sexta-feira, a Igreja se recolhe no silêncio para escutar o evangelho da paixão e morte de Jesus. No sábado santo, iluminada com o fogo novo, a mesma Igreja se alegra com o anúncio da ressurreição do Senhor e canta solenemente o aleluia pascal.

Os evangelhos não escondem como Jesus sentiu a proximidade amarga da morte. Os três dias da paixão, morte e ressurreição de Jesus são narrados com riqueza de detalhes pelos evangelistas. Esses três dias ocupam, proporcionalmente, a maior parte de cada evangelho. O julgamento, a flagelação, a coroação de espinhos, o caminho do calvário e, finalmente, a crucifixão revelam, em Jesus Cristo, o amor de Deus. Na dor humana revela-se o coração amoroso do Deus Trino que, em Jesus, despojou-se e assumiu o fato mais doloroso da vida: a morte. A cruz justifica a audácia de pronunciar a palavra, para muitos escandalosa: por amor e comunhão radical com o ser humano, Deus sofre!

A cruz é o lugar em que Deus fala no silêncio. Na solidão da morte, Jesus alcança cada ser humano, que pela morte haverá de passar. De sua cruz brota a ressurreição. Por isso, a Igreja reza: “O universo inteiro, salvo pela Paixão de vosso Filho, pode proclamar a vossa misericórdia. Pelo poder radiante da Cruz, vimos com clareza o julgamento do mundo e a vitória de Jesus crucificado” (Missal Romano, Prefácio da Paixão do Senhor, I).

O cristão é discípulo do Crucificado-Ressuscitado. A cruz é para ele escola de despojamento e esvaziamento. Ele aprende na cruz que nenhum ato de violência é justificável e que nenhuma morte, de quem quer que seja, pode ser comemorada. Contemplando a cruz de Jesus, o cristão compreende sua vocação. Ele, como o Senhor, há de dedicar-se pela causa do Reino para fazer dos calvários da terra lugares de ressurreição, de justiça e de vida plena. Traçando a cruz do Senhor sobre si mesmo o cristão vive sob a sombra dos braços abertos de Cristo, sinal eloquente do amor de Deus que nos banhou com o sangue de Jesus e fez de nós novas criaturas (cf. 2Cor 5,17).

+ João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

AGENDA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹maio 2019› » 

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook