Artigos

Os perigos do esgotamento: A Síndrome de Burnout

Nos tempos dos nossos avós e pais era costume a família ter seus horários para comer em casa, estarem juntos à noite e até dormirem cedo. As demandas, atividades e compromissos eram menores, sem tantas opções de tantas coisas a se fazer. Eram outros e bons tempos onde as pessoas tinham menos pressões nos diversos ambientes. No entanto, este cenário mudou e as exigências do mundo do trabalho, as pressões, as diversas atividades, trouxeram muita exigência pessoal e que tem afetado a saúde das pessoas, levando a um extremo esgotamento mental e psicológico, que em muitos casos pode ser  chamado de síndrome de burnout.

A síndrome de burnout tem preocupado organizações mundiais, e a OMS -Organização Mundial da Saúde a incluiu na classificação das doenças internacionais. Estima-se que de 30% a 40% dos trabalhadores já possuem a síndrome que tem como sintomas: dores, cansaço, desânimo, apatia, falta de interesse, irritabilidade, alteração no sono e apetite e tristeza excessiva. É uma doença ligada ao ambiente de trabalho e a pessoa se sente insatisfeita porque se doa e não se sente reconhecida e sem expectativas atendidas. É tão séria a situação que tem levado a depressões e até a suicídios.

As empresas nem sempre gerenciam adequadamente horas de trabalho, onde as pessoas levam trabalho para casa, estabelecem uma pressão que continua na mente e permeia os pensamentos durante momentos que deveriam ser de descanso. O não aproveitamento correto das competências das pessoas no ambiente de trabalho também influencia este diagnóstico. Por outro lado, muitas pessoas não conseguem se desligar, focam apenas o profissional em suas vidas e esta falta de equilíbrio conduz a um extremo esgotamento que afeta negativamente a motivação, a autoconfiança, a dedicação e a estima da pessoa. A questão é que isto tem sido mais crescente entre as pessoas e tem preocupado, sendo de fato considerado uma doença.

É preciso rever uma nova forma de encarar o mundo profissional, com mais equilíbrio, mais atenção das organizações em saber gerenciar o potencial humano que possuem, sem causar esgotamento que levará à perda da energia e motivação, compreendendo que pessoas não são “robôs”. Cabe a cada um compreender seus limites e aprender a lidar com as pressões profissionais, com equilíbrio de vida, colocando a saúde física, mental, psicológica e espiritual também como foco de atenção e cuidado.

A saúde mental no ambiente de trabalho é foco de atenção e deve ser prioridade para as organizações para preservar a qualidade, a produtividade e a potencialidade das pessoas, valorizando e criando situações para levar atividades que ajudem neste aspecto, além de saber gerenciar as diversas atividades e pressões com equilíbrio e sabedoria por parte de seus líderes.

Se você tem se percebido com esses sintomas, procure um profissional especializado, e aqui sugerimos especialmente um psicólogo e/ou psiquiatra, que são também aqueles que, além de diagnosticar, poderão auxiliá-lo no tratamento. Além disto, mudanças nos hábitos e estilos de vida, tais como atividade física regular, exercícios de relaxamento, identificação de atividades que lhe façam bem, e sejam prazerosas, são essenciais para sua retomar sua qualidade de vida.

Que uma mente saudável seja resgatada com a alegria de viver! Permita-se conviver em família, tendo momentos verdadeiros de descanso, com atividades prazerosas, sono e alimentação de qualidade e tendo energia e satisfação para se dedicar adequadamente ao trabalho.

Segue teste burnout para você avaliar seu nível atual. Responda e compare seus resultados abaixo:

Síndrome de Bournout  é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso. Faça o teste e avalie seu risco de ter Bournout :
Avaliação: Nunca(1) Raramente(2) Às vezes(3) Todo tempo(4) Com muita frequência(5)

Perguntas:
1 Você se sente deprimido (a) como se sua energia física e emocional estivesse exaurida?
2 Você acha que está propenso (a) a pensar negativamente sobre seu emprego?
3 Você se considera mais frio (a) e/ou menos sensível com as outras pessoas do que possivelmente merecem?
4 Você fica irritado (a) facilmente com os pequenos problemas ou com seus colegas de trabalho e sua equipe?
5 Você se sente incompreendido (a) ou desconsiderado (a) pelos seus colegas de trabalho?
6 Você sente que não há nada para conversar?
7 Você acha que está realizando menos do que deveria?
8 Você se sente em um nível incômodo em relação à pressão para obter êxito?
9 Você sente que não está conseguindo o que quer fora do seu emprego?
10 Você sente que está na empresa ou profissão errada?
11 Você está ficando frustrado (a) com partes do seu trabalho?
12 Você sente que a burocracia e a política organizacional frustram sua habilidade de realizar um bom trabalho?
13 Você sente que há mais trabalho do que você tem habilidade de realizar na prática?
14 Você sente que não tem tempo para realizar muitas coisas que são importantes e fazer um trabalho com qualidade?
15 Você acha que não tem tempo para planejar tanto quanto você gostaria?

Pontuação Total:
Interpretação
Avalie a sua pontuação
15 – 18 Nenhum sinal de burnout
19-32 Pequeno sinal de burnout, a menos que alguns itens (pontuação) estejam particularmente altos.
33-49 Cuidado, você corre o risco de burnout principalmente se muitos ítens estiverem altos.
50-59 Você corre um grande risco de burnout. Faça algo a respeito, urgentemente.
60-75 Você está com enorme risco de burnout. Faça algo a respeito urgentemente.

Por Gregório Ventura e Eliane Ventura

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook