Artigos

Religião e ciência: interações e conflitos

A religião confere ao ser humano uma base para se constituir no mundo. Através dela, seres humanos podem imaginar o inimaginável e descrever o indescritível. Por seu papel ao longo da história, a religião foi fundamental para a formação da sociedade. A ciência representa a realidade visível e sensível, é fruto de uma experimentação, do verificável. Embora o conflito entre estes dois campos (religião e ciência) sempre tenha sido observado ao longo dos tempos, as duas vertentes são distintas e não necessariamente opostas. À medida que a ciência aponta as falhas da religião, esta se vê na necessidade de repensar‐se. O conhecimento definido, metodologicamente testado, pertence ao campo da ciência, a fé que ultrapassa o conhecimento definido pertence à religião. Para as questões puramente especulativas, a ciência não é capaz de dar uma resposta concreta. A religião, por sua vez, oferece respostas não científicas ao mundo dos humanos.

O discurso místico e religioso fornece aos crentes um sentido à vida, a ciência e a filosofia não fornecem uma certeza, e nem pretendem tal condição. A religião não é uma categoria universal, mas cultural, gera um ordenamento do universo através da criação de unidades valorativas de sentido. Entre o nascimento e a morte de um ser humano existem instituições que criam referências de sentido aos homens e mulheres. A religião é uma destas instituições. Justamente por isso Niklas Luhmann aponta que a religião torna o mundo definível.

Mas o que é religião? A conceituação sobre religião está vinculada a um contexto sociocultural específico, sendo um produto da academia europeia. Klaus Hock observa que, em outros tempos e em outras culturas, não há uma correspondência com o conceito “religião”. Como observa a antropóloga Bettina Schmidt, precisar o termo “religião” é uma tarefa complexa e possivelmente imprecisa, dado sua amplitude. Embora a terminologia “religião” seja bastante aberta, há um consenso entre os estudiosos da questão: a compreensão científica da religião não pode ser somente religiosa. Cabe então às Ciências da Religião o papel de analisar indivíduos e instituições que estão na unidade de registro da fé, da crença. Justamente por isso não é função deste campo do conhecimento estabelecer uma unidade valorativa para o outro. As Ciências da Religião interpreta o simbólico no qual os indivíduos oscilam e constroem suas referências e, para isso, interpreta o “mundo” que já está constituído para o crente. Os dados coletados pelos estudiosos desta ciência servem para estabelecer relações analíticas.

A religião, para o pesquisador, é um objeto constituído por fenômenos capazes de serem interpretados. Por isso o cientista da religião deve se afastar de todo tipo de preconceitos e interferência no objeto de sua pesquisa. O pesquisador não deve violar os espaços constituídos, mas deve ser crítico e autocrítico acerca de seu trabalho, e deve estar atento para a suspensão dos juízos pessoais para que não ocorra interferência valorativa. A violação de qualquer símbolo religioso significa a violação da religião como um todo. Por isso, para os pesquisadores os meios e os fins devem ser éticos. O discurso religioso visa dar sentido ao mundo. A ciência objetiva compreender o mundo. A ciência trabalha com o que é; a religião trata do deve ser.

*Luiz Eduardo de Souza Pinto – Doutorando em Sociologia – UFMG

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

AGENDA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹maio 2019› » 

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook