Artigos Artigos de Dom João Justino

Terra, vida e morte

A exploração da terra e suas consequências

            Recentemente, numa das pequenas comunidades do interior da Arquidiocese, recebi, ao final da celebração eucarística, os frutos da terra que foram apresentados junto do pão e do vinho. Eram dados a mim como presentes. Foi comovente recordar como me foram entregues na procissão das oferendas. Tudo era produto da terra e do trabalho daquelas pessoas que celebravam com fé e gratidão as crismas e a eucaristia. Ao chegar em casa, dei-me conta da generosidade da terra e dos trabalhadores. Eram dezessete tipos diferentes de produtos: manga ubá, pitomba, carambola, laranja, banana, limão, pequi, pinha, mamão, chuchu, feijão de corda, milho verde, abacate, mandioca, caxi, moranga e umbu.

            Uma senhora, ao me ouvir relatar isso, disse: “Imagine o quanto mais nossa terra produziria se tivéssemos mais chuvas”. Sim, o norte de Minas é uma região de clima semiárido e as chuvas são escassas. Nos últimos decênios, diversas nascentes secaram, há rios antes perenes que se tornaram intermitentes. Muitos defendem que a monocultura do eucalipto, agora abundante no sertão norte-mineiro, absorve enormes quantidades de água, podendo até mesmo ressecar rios e outras fontes hídricas existentes no entorno dessas grandes plantações. O desmatamento, outra causa da redução das águas, é uma realidade. Via de consequência a água potável é escassa em nossa região.

            Tudo isso me fez pensar na relação terra e trabalho. De um lado a terra, expressão generosa da natureza. Seus frutos são abundantes e variados, com sabores diferentes e deliciosos. O cerrado comprova a prodigalidade da terra, que embora seca e até árida, produz enorme diversidade de frutos. De outro lado, o trabalho. E aqui estamos falando do ser humano que trabalha a terra, intervém na natureza, aprende a explorá-la e a fazê-la produzir. É louvável quando conscientemente cultivada.

No entanto, o que se tem observado é um trabalho humano que escraviza a terra, suga o quanto pode de seus recursos para atender suas necessidades, destruindo a natureza em busca de riquezas. O ser humano fez da terra um valor cobiçado. Ele delimita territórios, grila terras, expulsa comunidades tradicionais, estabelece monoculturas, não dá descanso à terra… Isso mesmo, a terra precisa descansar para se refazer e oferecer novos ciclos de vida. Bem sabia o homem bíblico, que instituiu o ano jubilar para descansar a terra e quebrar as correntes da escravidão.

            A terra não produz apenas os vegetais para alimento humano e animal. Ela é rica em minerais e nela se encontram riquezas muito cobiçadas pelo homem, desde o ouro, a prata, o diamante, o minério de ferro, o zinco, o nióbio, entre outros. A indústria mineradora é uma das mais potentes da economia. Ela revolve a terra, aplaina montanhas, escava quilômetros de túneis, beneficia, transporta. É trabalho humano, que gera riquezas, porém quando realizado sem critério destrói sobremaneira o meio ambiente, colocando em risco a vida.

Exemplo disso é o que todos assistimos acontecer em Brumadinho: o horror de uma exploração da terra sem escrúpulos. O resultado é o pior: morte de pessoas, de animais, de plantações, de paisagens, de nascentes, de rios… Fruto da ganância humana.

Nessa esteira, não se pode desconhecer que a terra há de ser cultivada, mas, sobretudo, cuidada. Ela é puro dom. Dela extraímos muitíssimo do que precisamos para viver. Diz o Papa Francisco: ‘Se a terra nos é dada, não podemos pensar apenas a partir dum critério utilitarista de eficiência e produtividade para lucro individual. Não estamos a falar duma atitude opcional, mas duma questão essencial de justiça, pois a terra que recebemos pertence também àqueles que hão de vir” (Laudato sì, 159).

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

 

 

 

 

 

 

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

AGENDA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

 
 « ‹fev 2019› » 

REVISTA

 

Encontros Pastorais

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook