Artigos

TRAJE DE FESTA

Na parábola a festa de casamento do filho do rei, Jesus narra sobre o convite aos amigos para participarem do mesmo.  Mas os convidados não compareceram. Até mataram os empregados que foram convidá-los.  Por isso, o rei se vingou, também matando aqueles assassinos. Em seguida, mandou convidar a todos que encontrassem,  bons ou não. Mas, vendo alguém na festa que não tinha o traje próprio, mandou que saísse e fosse embora (Mateus 22, 1-14).

Deus nos dá oportunidade de fazer parte de seus amigos, que ficam conhecendo sua proposta de vida, para vivermos no seu convívio de amor. Oferece-nos meios para nossa vida de sentido, com o direito de participar do banquete festivo de seu reino definitivo. Para isso, instrui-nos com seus ensinamentos. Oferece-nos meios naturais e sobrenaturais para nosso encaminhamento de vida com realização plena. Mas deixa-nos a liberdade. Podemos usar os dons ou talentos para a promoção de nosso bem e do bem comum. Porém, cobra-nos a desinstalação de nosso egoísmo. Podemos dizer sim ou não a Ele. No entanto, temos que assumir as consequências de nossas opções, conduzindo-nos no bem ou no mal. Através de quem Ele encarregou, somos instados a acolher sua proposta de participar de sua família na vida de fraternidade. Se usarmos bem nossa inteligência vamos treinar nossas capacidades para realizarmos sua vontade, que é a melhor para nós mesmos.

O profeta fala do convite de Deus para participarmos de seu banquete eterno feliz, onde será superado qualquer tipo de dor: “O Senhor eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces” (Isaías 25,8).  Mas Ele não obriga ninguém a aceitar seu convite.  Mas, quem pensa bem, analisa sobre o que é melhor: caminhar na ética, na justiça e na moderação e ganhar infinitamente mais, ou o contrário, trocar o mais pelo efêmero, vivido sem compromisso com a retidão moral, o respeito e a promoção do bem comum.

Se não se vive na dimensão e busca do bem eterno, já vale bastante a vida com altivez de caráter. Aliás, quem faz o bem aqui na terra com esse intuito, mesmo não tendo a graça da fé sobrenatural, Deus dá a graça natural para  alcançar o sobrenatural!

Quando nos deixamos conduzir pelo Pastor, que vai à frente, conduz-nos às boas “pastagens” e nos dá segurança de alcançá-las, teremos vida plenamente feliz. Ao contrário, caímos no abismo de nossos limites (Cf. Salmo22). Confiantes no Deus da vida, teremos o necessário para atingir o objetivo tão desejado da realização total de nossa vida, colocando o possível de nossa parte para conformarmos nosso caminho existencial com o proposto por Deus. Mesmo nas dificuldades encontramos ajuda daquele em quem “tudo posso”, como diz Paulo (Filipenses 4,13).

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

 

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook