Voz do Pastor

UM SÓ CORAÇÃO

coracao

Parece uma utopia o que os primeiros cristãos realizavam na prática do amor ensinado por Jesus. Todos viviam como fossem um só coração. Tudo o que tinham colocavam em comum. Ninguém passava necessidade (Cf. Atos 4,32-35).

Com as diferenças e pluralidades de ambientes, culturas, tradições e características diferenciadas o desafio da mútua colaboração e distribuição de possibilidades para uma vida digna é muito grande. No entanto, organismos internacionais, nacionais e regionais poderiam existir com a colaboração de governos e instituições que olhassem não só para cada nação e sim também para o benefício da humanidade. O Papa Francisco, na encíclica Louvado Seja (Laudato Sì), fala da proteção ao meio ambiente, que deve ser preservado para o bem da humanidade. Quantas vezes os Pastores da Igreja têm advertido sobre a necessidade de armistícios para os países superarem as guerras! Como é importante haver esforço de países mais desenvolvidos para cooperarem com a superação da fome e da miséria em tantos lugares do hemisfério sul!

A desigualdade exorbitante entre países ricos e pobres clama por compaixão e justiça a quem pode ajudar a diminui-la e não o faz! No próprio Brasil temos desigualdades gritantes em minorias riquíssimas e grandes parcelas pobres. Estas acabam pagando proporcionalmente mais tributos do que aquelas que contribuem pouco para a sociedade em que vivem e usufruem do bom e do melhor! Temos grandes proprietários de terras que não as cultivam e não deixam outros fazê-lo! A reforma agrária é de fundamental importância para se fazer justiça aos que não têm com que cultivar!

Quem tem coração humano-divinizado pelo Filho de Deus, não só fala que tem fé, mas a pratica de verdade, sendo solidário com os mais necessitados e excluídos de vida digna. Todos querem viver em paz, mas esta só se dá no coração de quem tem sensibilidade e pratica a solidariedade com o próximo. Ao contrário, não adiante dizer que tem fé.  Uma vez experimentada na própria vida a certeza da ressurreição de Jesus, a pessoa tem o entusiasmo de demonstrar na prática seu novo encaminhamento de relacionamento com o semelhante, sendo solidário com suas necessidades. Por causa do Filho de Deus ela se torna agente de colaboração com o bem do outro e de toda a sociedade.  Se não temos as condições dos primeiros cristãos de colocar tudo em comum, temos sim condição de sair de nós mesmos para sermos solidários com causas que ajudem a superação de todo o mal na sociedade. Vemos demais a injustiça da miséria e a da má política que injustiça grande parte da população.  A ressurreição de Jesus é ponto de referência essencial para também promovermos a vida digna para tantos que não a têm!

José Alberto Moura, CSS- Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Voz do Pastor

Dom José Alberto

Arcebispo de Montes Claros (MG)

 

ENQUETE

Estamos celebrando até 25 de novembro de 2018 o Ano Nacional?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook