Artigos

VIDA DO POVO

À vezes ficamos interrogando: será que o povo tem dono? Pois, há os que o manipulam política, econômica e até religiosamente.  Há lugares em que os ditadores proíbem isso ou aquilo. Querem interferir na vida pessoal dos cidadãos e até na sua religião. Há os que confundem separação de religião e Estado, dizendo que o Estado é laico,  e isso é verdade; mas se esquecem que o povo é religioso e ele é que elege o Governo para ajudar o Estado a servir o mesmo povo. A laicidade não é proibir algo religioso, mas o não dever de pautar-se por uma determinada religião.

Os pais não são donos dos filhos e também os cônjuges não são donos um do outro. Nós não somos donos de nós mesmos. Por isso é que não podemos tirar nossa própria vida. Deus é quem é dono de nossa existência. Ele no-la concedeu para dela cuidarmos enquanto estivermos aqui na terra. Vamos prestar contas a Ele do que  fizemos dela. Se a utilizarmos realizando o que Ele nos propõe, teremos o resultado melhor possível. Ele nos recompensará pelo esforço de fazermos somente o bem.

Reconhecer o senhorio divino em nossa existência é deixar que Ele nos oriente. Suas coordenadas são percebidas por nós já na ordem natural, em que percebemos as oportunidades de existir, de praticarmos a justiça e  a solidariedade. Reconhecemos que tantas pessoas nos ajudaram desde o ventre materno, porque reconhecem a Providência divina, que nos dá oportunidade de realizar o bem e ter boa convivência na fraternidade. Não fossem as pessoas de bem, o planeta já teria se explodido!

Percebemos ainda a grandeza de Deus através de tantas graças sobrenaturais dele em relação a nós, como a superação de males físicos, morais e espirituais. Ele nos favorece com o perdão dos erros, com atenção às nossas súplicas, a orientação de sua Palavra, a ajuda de apoio moral de tantas pessoas, o dom da fé, a superação de tantos males… Paulo lembra a ação do Espírito Santo em nossa vida, que “atua abundantemente em nosso favor” (1 Tessalonicenses 1,5).

Alguns fariseus quiseram colocar Jesus em aperto, para ver se ele se sairia bem de um seu questionamento: se eles deveriam pagar imposto ou não ao imperador romano. Ele pediu para lhe mostrarem a moeda e perguntou sobre a figura impressa na mesma. Como disseram que era a do imperador César, Ele disse que se deveria dar ao imperador o que era dele e a Deus o que é de Deus (Cf. Mateus 22,17-21). Se, de fato, o ser humano desse a Deus o que lhe é devido, teríamos tudo para a convivência adequada no nosso planeta. Devemos obediência a Deus. Com ela faríamos somente o que bom e agradável a seus olhos. Deus só quer e nos indica o melhor para nós mesmos.  Felizes seremos se sempre seguirmos o que Ele, que é nosso Senhor, nos mostra através de seu Filho. Por sua vez, Jesus mesmo nos apresenta que Ele é o caminho. Seguindo-O, fazemos o melhor para nós e para todos!

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Artigos de Dom José Alberto

Arcebispo Emérito de Montes Claros (MG)

AGENDA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹mar 2019› » 

REVISTA

 

ENQUETE

“A Comunidade que contempla o Rosto das Juventudes” é o tema para o Ano Nacional de qual ano?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Facebook