Artigos Artigos de Dom João Justino

A paz tão sonhada…

O ano novo está às portas. As mensagens natalinas são acompanhadas de votos de feliz ano novo. Os augúrios de paz são os mais repetidos. É praticamente unânime desejar a paz no início de um novo ano. Os católicos celebram no dia 1º de janeiro a solenidade de Maria, Mãe de Deus. Celebra-se o belo título Theotókos (mãe de Deus) dado à Maria, mãe de Jesus, no Concílio de Éfeso, no ano de 431. No primeiro dia do ano, desde o pontificado de São Paulo VI, celebra-se, também, o Dia Mundial da Paz, ocasião em que o papa escreve sua mensagem para todos os homens e mulheres de boa vontade, sempre com o apelo à paz.

Desta vez o Papa Francisco tratou da “paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”. A humanidade traz na memória e na carne as lembranças dos conflitos e guerras que ferem o sentido da paz entre os povos e entre as pessoas. Nós cristãos devemos escutar uma vez mais o anúncio dos anjos aos pastores: “Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra, paz a todos por ele amados” (Lc 2,14).

Jesus, ao ensinar as bem-aventuranças, que assinalam o que deve ser tomado como essencial na vida dos seus discípulos, pontua: “Bem-aventurados os que constroem a paz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9). Vencedor da morte, ressuscitado, dá aos seus discípulos como dom pascal a paz: “A paz esteja convosco” (Jo 20,19), diz Jesus ressuscitado quando se dirige aos discípulos no anoitecer daquele domingo de sua ressurreição. Essas palavras mostram a imediata relação entre trabalhar pela paz e ser chamado ou reconhecido como filho de Deus. Portanto, é nítida a contradição quando quem se diz cristão escolhe o caminho do armamento, do lucro das armas e da sua insana fabricação.

É bom desejar a paz aos outros. No entanto, é urgente trabalhar pela paz. E isso passa pelo compromisso de muitas mudanças. A começar pela linguagem, pois costumamos ser violentos nas palavras que agridem e nas palavras que parecem justificar a violência. Nesse sentido, educar para a paz deve ser o compromisso de todo aquele que professa crer em Jesus como Filho de Deus. E a educação para a paz começa com a proposição do evangelho da fraternidade. Somos todos irmãos e tudo devemos fazer para conter os impulsos de violência e agressão contra as pessoas. Qualquer forma de agressão, de violência, de desrespeito aos direitos da pessoa afasta a paz.

Com efeito, é urgente a superação do feminicídio. É inadmissível qualquer espécie de violência contra as mulheres. É preciso por fim à matança dos jovens, vítimas, sobretudo, da praga do século, a dependência das drogas. Não se pode esquecer da paz tão desejada no campo, lugar de disputas de terras, de conflitos e de mortes. Nessas disputas por território, os indígenas se encontram em grande desvantagem diante de um Estado que enfraquece os mecanismos de controle para favorecer os mais poderosos. É fundamental proteger as crianças e adolescentes de todas as formas de violência. É preciso, ainda, cuidar e proteger os idosos. Enfim, quem deseja a paz, deve trabalhar pela paz. Entende-se, então, porque Jesus disse “bem-aventurados os que constroem a paz…” (Mt 5,9). Assim, todos são convocados a participar da construção da tão sonhada paz…

+ João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...