Artigos

“Artífices da revolução da ternura”

Um dos conceitos trazidos pelo Papa Francisco na Exortação Apostólica Alegria do Evangelho (n. 88) é o da revolução da ternura. Para o Santo Padre é esse o convite que ressoa na vida de toda a criação, principalmente a partir da encarnação do Filho de Deus. Na mensagem para o II Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, que celebraremos amanhã, o Papa argentino reafirma que os avós e os idosos têm papel importantíssimo como protagonistas de tal insurreição.

Se Amar é a única revolução – como nos afirmam Anselm Grün, Gerald Hüther e Maik Hosang – sendo responsável pelos grandes saltos evolutivos biológica, social e espiritualmente, são os idosos, sobretudo os avós, verdadeiras escolas de ternura. Isso porque, trazendo em si as marcas do tempo e do aprendizado, não se mostram senão como portadores do essencial. Desapegados de vaidades, eles se deparam com o estoque de amor que ajuntaram no decorrer dos anos, enquanto se dedicavam às “coisas mais urgentes”, correndo contra o tempo, como o coelho da obra de Lewis Carroll.

Agora, mais maduros, voltam-se à verdadeira e revolucionária urgência: amar! Por isso, comumente se escuta dizer que as avós e os avôs são pais e mães com açúcar. Eles entenderam que o amor não deve ser dado como causa segunda, como fruto de um merecimento, de uma tarefa cumprida, mas como modo de se existir no mundo, afinal, somos imagem e semelhança (cf. Gn 1,26-27) de um Deus que é amor (cf. 1Jo 4,8b). Eles são mestres do olhar, do caminhar e do falar sem pressa, chamando-nos a atenção para as coisas incalculáveis e nos ensinando a serenidade.

Como escolas de ternura, os idosos e avós atuam como artífices – com fazedura manual, com toques, ora precisos ora trêmulos, fazendo ecoar um brado de resistência contra uma cultura do descartável, que instrumentaliza e troca o calor dos abraços por luzes gélidas dos aparatos tecnológicos. Para tanto, devem buscar caminhos que proporcionem um verdadeiro e profundo projeto de existência. Nesse sentido, que outro caminho seria melhor se não aquele que nos permite entrar em contato com a Fonte do amor e pelo qual podemos haurir e alimentar a nós e ao mundo? Tal caminho é a oração.

Não apenas aquele volumoso tesouro que nós católicos temos, mas, como o Papa, reafirmamos a necessidade de nos tornarmos poetas da oração, dizendo-nos a Deus e dele acolhendo as forças e o sentido para sermos artífices da revolução da ternura. Só assim poderemos empreender uma revolução que diz não à violência, às armas, às mortes, aos abusos – de poder, de corpos, e de mentes… Uma revolução que faz brotar uma verdadeira família, em que todos têm lugar à mesa, tem voz e vez. Esses são os frutos, que, mesmo na velhice, somos chamados a dar (cf. Sl 92,15).

Assim, como artífices de uma civilização do amor, todos somos chamados a ecoar a Palavra de Deus como profetas, especialmente os idosos e os avós, expulsando os males da divisão, do esquecimento, do utilitarismo e da violência. Nada soa melhor que as palavras finais do Papa Francisco em sua mensagem para esse Dia Mundial: Peçamos a Nossa Senhora, Mãe da Ternura, que faça de todos nós dignos artífices da revolução da ternura para, juntos, libertarmos o mundo da sombra da solidão e do demônio da guerra.

 

Equipe Arquidiocese em Missão
Arquidiocese de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹nov 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...