Artigos Artigos de Dom João Justino

A Igreja nas casas (II)

Quando a Igreja no Brasil, em suas atuais Diretrizes da Ação Evangelizadora, retoma a “casa” como referência fundamental para as Comunidades Eclesiais Missionárias é porque compreende que “a casa permitiu que o cristianismo primitivo se organizasse em comunidades pequenas, com poucas pessoas, que se conheciam e compartilhavam a mesa da refeição cotidiana. Pela partilha da mesa, com todos os batizados, se estabelecia um novo estilo de vida, marcado pelo seguimento de Jesus Cristo. A hospitalidade era aberta também a pecadores e pagãos” (Doc. 109, 80).

As casas dos primeiros cristãos eram os lugares do encontro e da escuta da Palavra, da fração do pão – Eucaristia e da comunhão fraterna – Caridade (cf. At 2,42). Ademais, os primeiros cristãos saíam de suas casas para anunciar o Evangelho a todas as cidades – Missão (cf. At 8,40). Encontram-se aí os quatro pilares da ação evangelizadora. Urge, pois, recuperar o sentido da “igreja nas casas” ou “igreja doméstica”. Eis algumas sugestões no espírito da IV Assembleia de Pastoral da Arquidiocese de Montes Claros, nos parágrafos seguintes.

Igreja doméstica e Palavra de Deus: para a fé cristã, a experiência com a Palavra de Deus é fundamental. No ritual do catecumenato de adultos prevê-se a entrega do livro da Palavra de Deus com a seguinte exortação: “Recebe o livro da Palavra de Deus. Que ela seja luz para a tua vida”. Crescer na fé exige a intimidade com a Palavra. Que livro mais importante os pais poderiam entregar aos filhos senão a Bíblia Sagrada? E não basta colocá-la em lugar de destaque na casa. É muito importante que seja proclamada e rezada em família. Na memória dos filhos ficará a lembrança das parábolas de Jesus ouvidas em casa. Por que não reler, em casa, com a família, o evangelho do domingo? A catequese familiar começa com a escuta reverente e atenta da Palavra.

Igreja doméstica e ritualidade: faz parte da identidade humana criar ritos e símbolos. A fé começa a ser ritualizada no interior das casas, quando a família reserva algum espaço para ícones ou imagens sacras e ensina os filhos a importância deles. Quando se ensina a fazer o sinal da cruz e a rezar antes das refeições. Quando se celebram os aniversários e as festas religiosas, e esses dias são especialmente preparados. Quando se introduz o silêncio e o seu valor para a oração e a escuta de Deus. Quando se valoriza a escuta de cada pessoa, com reverência e respeito ao mistério do outro. Quando o beijo, o abraço e o carinho entre familiares registram o amor e a benevolência. Todos esses gestos humanizam e educam para a relação com Deus e com as pessoas que encontramos pela vida afora.

Igreja doméstica e misericórdia: na família se vivem as mais fortes alegrias. Mas é, também, ali, em nossas casas, que há tropeços, situações de discórdia e até de agressões. A proximidade familiar parece facilitar a perda da paciência. Uma família cristã, que se autocompreende como igreja doméstica, valoriza o perdão e a reconciliação. Ninguém deve passar de um dia ao outro com rancor no coração. Antes, deve se recordar da oração ensinada por Jesus e perdoar aquele que foi o ofensor. Em casa se aprende que não se deve julgar os outros. É preciso, pois, viver em casa a misericórdia de Jesus e ser promotor da misericórdia noutros ambientes da vida.

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹jun 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...