Artigos

Artigo: “Discípulos-missionários comunicadores de vida”

Ecoando a celebração dos 15 anos da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, em Aparecida, e nos encaminhando para a Semana Arquidiocesana da Comunicação (22 a 29 de maio) queremos hoje refletir sobre o chamado a sermos comunicadores da vida plena (cf. DAp, n. 347-379). Diz-nos o texto final da conferência que o impulso missionário é fruto necessário à vida comunicada pela Trindade. Em outras palavras, os bispos nos recordam que a missionariedade é, simultaneamente, aceitar o convite dos Divinos Três a partilhar de sua vida e ressoar esse convite aos outros.

Não se trata aqui daquilo que Michael Green chamou de tagarelar sobre o Evangelho. Antes, é uma partilha do que se experimentou. O Papa Francisco assim sintetizou: O teu coração sabe que a vida não é a mesma coisa sem Ele; pois bem, aquilo que descobriste, o que te ajuda a viver e te dá esperança, isso é o que deves comunicar aos outros (EG, n.121). Contudo, só comunica bem quem se deixa interpelar por aquilo que ouve e vê. É preciso, então, escutar com profundidade, para sanar aqueles anseios mais profundos da alma.

Viktor Frankl disse certa vez que é preciso escutar os gritos que saem dos porões da alma. Por isso, para se comunicar aquela vida, e vida em abundância (Jo 10,10) que o Senhor Jesus veio nos trazer, é imprescindível escutar com os ouvidos do coração. Um coração disponível para escutar e acolher, para dialogar e partilhar da própria vida é, sem dúvida um coração manso e humilde, que manifesta que a vida em Cristo cura, fortalece e humaniza (DAp, n. 356).

Estamos, no entanto, em uma sociedade que se acostumou a falar, a dar opinião sobre tudo, e tem se afastado da prática da escuta. Isso é um reflexo dos avanços tecnológicos e das redes sociais digitais, mas que deve ser pensado, uma vez que, para haver diálogo, sobretudo aquele que comunica a vida abundante da Trindade, faz-se mister a escuta. Urge trazer à tona uma profunda lei da realidade: a vida só se desenvolve plenamente na comunhão fraterna e justa (DAp, n. 359). Por isso, o dinamismo da partilha da Vida passa pelos processos de libertação integral, humanização, reconciliação e inserção social, e não na polarização de discursos que, ao contrário, oprimem, segregam e desumanizam.

Assim, o convite de Jesus é que nos tornemos comunicadores de vida plena, que converte pelo exemplo de uma acolhida incondicional, e se fortalece na doação de si mesmo. Os bispos latino-americanos e caribenhos assim sintetizaram: A vida se acrescenta dando-a, e se enfraquece no isolamento e na comodidade. De fato, os que mais desfrutam da vida são os que deixam a segurança da margem e se apaixonam pela missão de comunicar vida aos demais (DAp, n. 360). A força desse anúncio de vida será fecunda se, e somente se, o fizermos com estilo adequado, com as atitudes do Mestre, e tendo sempre a Eucaristia como horizonte e fonte de nossas vidas. E, ao caminharmos para o fim do tempo pascal, possamos clamar ao Espírito Santo para podermos dar o testemunho de proximidade que entranha proximidade afetuosa, escuta, humildade, solidariedade, compaixão, diálogo, reconciliação, compromisso com a justiça social e capacidade de compartilhar, como Jesus o fez (DAp, n. 363).

 

Equipe Arquidiocese em Missão
Arquidiocese de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹jun 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...