Artigos Artigos de Dom João Justino

Francisco(s) e a fraternidade

O tema da fraternidade está no DNA do cristianismo. Jesus viveu e pregou a fraternidade, apresentando-a no horizonte do amor ao próximo e na lógica de seu único mandamento: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 13,34). Disse aos seus discípulos: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8). Indicou que o serviço despretensioso deve marcar a atitude de cada discípulo em relação às pessoas. Criticou o modo como os chefes das nações e os grandes do mundo governam para acentuar que entre os seus discípulos não deverá ser assim (cf. Lc 22,25-26). Para isso, Jesus mesmo se identificou como aquele que veio para servir e não para ser servido (cf. Mc 10,45).

A comunidade dos primeiros cristãos entendeu esse ensinamento e se colocou atenta na observância da “comunhão fraterna” (At 2,42). Entre os ideais da vida cristã se destacava a fraternidade. Sabe-se como o cristianismo cunhou a história do Ocidente e, especialmente, os santos entenderam a novidade do evangelho ao propor a verdadeira irmandade entre as pessoas. Entre eles, destaca-se São Francisco de Assis. Ele alcançou um grau de integração humana que o fez estender a compreensão da fraternidade a outras criaturas, por ele assim chamadas: irmão sol, irmã luz, imã água, irmã terra… Escrevia aos frades, seus irmãos, servindo-se da expressão “Fratelli tutti” para condensar o ensino de Jesus a ser assumido por eles.

O Papa Francisco sempre teve especial atenção à fraternidade e à amizade social. Sua primeira saudação ao povo reunido na Praça de São Pedro já explicitava isso: “E agora iniciamos este caminho, Bispo e povo… este caminho da Igreja de Roma, que é aquela que preside a todas as Igrejas na caridade. Um caminho de fraternidade, de amor, de confiança entre nós. Rezemos sempre uns pelos outros. Rezemos por todo o mundo, para que haja uma grande fraternidade” (13.03.2013). Recentemente, inspirou-se no Santo de Assis para escrever a sua encíclica social Fratelli tutti, assinada junto ao túmulo do Poverello de Assis, em 3 de outubro de 2020. Escreve o Papa: “Com poucas e simples palavras, [Francisco de Assis] explicou o essencial de uma fraternidade aberta, que permite reconhecer, valorizar e amar todas as pessoas independentemente da sua proximidade física, do ponto da terra onde cada uma nasceu ou habita” (FT 1).

O mundo hodierno padece de desumanidade como apontam os noticiários. É comum reconhecer os traços humanos onde há zelo pela vida, cuidado pelos irmãos. Li que Margaret Mead, em resposta a um aluno sobre qual seria o primeiro sinal de civilização em uma cultura, teria dito ser um fêmur quebrado e, depois, curado. Seria a evidência de que alguém tirou tempo para cuidar do outro até que ele se recuperasse. No mundo animal isso não seria possível. Assim, concluía a antropóloga, que ajudar outra pessoa nas dificuldades é o início da civilização. Cheguei a pensar que o início da civilização se deu com um gesto de fraternidade como o do bom samaritano.

Com o Papa Francisco, “sonhemos como uma única humanidade, como caminhantes da mesma carne humana, como filhos desta mesma terra que nos alberga a todos, cada qual com a riqueza de sua fé ou das suas convicções, cada qual com a própria voz, mas todos irmãos” (FT 8). Então, vamos nos permitir reconhecer em cada pessoa o nosso semelhante, o nosso irmão, caminho indispensável para a paz.

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹jan 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...