Artigos Artigos de Dom João Justino

O maior perigo é não amar

O núcleo da pregação de Jesus é o anúncio do Reino de Deus. A vida e os ensinos de Jesus gravitaram ao redor da dinâmica do Reino: a revelação do rosto misericordioso do Pai; a hermenêutica da lei a serviço da vida plena; a diaconia aos pequenos, aos pobres, aos enfermos, aos estrangeiros como prioridade de todo cuidado com as pessoas; o resgate do valor da mulher; o amor a todos, até aos inimigos, como mandamento principal. Na leitura e meditação dos evangelhos percebe-se o sonho de Jesus: um mundo de irmãos, sinal do Reino definitivo. Jesus não poupou sequer um momento de sua vida para ensinar outra coisa. Seus gestos e suas palavras ensinaram o amor a Deus e aos irmãos.

O Papa Francisco falou disso com palavras fortes em sua Carta Encíclica Fratelli tutti: “A estatura espiritual duma vida humana é medida pelo amor, que constitui ‘o critério para a decisão definitiva sobre o valor ou a inutilidade duma vida humana’. Todavia há crentes que pensam que a sua grandeza está na imposição das suas ideologias aos outros, ou na defesa violenta da verdade, ou em grandes demonstrações de força. Todos nós, crentes, devemos reconhecer isto: em primeiro lugar está o amor, o amor nunca deve ser colocado em risco, o maior perigo é não amar (cf. 1 Cor 13, 1-13)” (FT 92).

Ora, crescer na estatura espiritual significa alargar o coração para o amor fraterno. Na história do cristianismo encontram-se pessoas que deram de modo exemplar o passo da fé e do amor. A referência a Francisco de Assis, Antônio de Pádua, Damião de Molokai, Madre Teresa de Calcutá, Irmã Dulce dos Pobres apenas sinaliza a profundidade da experiência cristã vivida por incontável número de homens e mulheres que pautaram suas vidas no traço mais importante da identidade cristã, o amor que nos faz reconhecer em cada rosto humano uma pessoa a ser acolhida, respeitada e amada. O bom samaritano é, assim, modelo para todo discípulo de Jesus. O homem caído à beira do caminho era um desconhecido, quase invisível aos olhos de tantos que passavam. Aquele samaritano “o viu, encheu-se de compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34).

Essa fina percepção da dignidade da pessoa se aprende desde as primeiras lições da vida familiar, berço da identidade humana e social. É grande a responsabilidade da família ao educar para as relações de fraternidade. Também as outras instituições sociais, especialmente a escola, haverão de cultivar o apreço inter-humano. Pesa sobre os usuários dos meios de comunicação, cada vez mais sofisticados, esse zelo pela fraternidade e amizade social. E toda pessoa que ocupa espaços de liderança e projeção social, sobretudo quando reconhecida em sua opção religiosa cristã, somente poderá honrar o nome cristão se testemunhar o apreço incondicional pela defesa da vida e o respeito pela dignidade de cada pessoa. E isso se estende na defesa e na promoção da Família, do Estado Democrático de Direito, na preservação da Casa Comum e na promoção de uma economia solidária. Para a fé cristã, todos somos chamados a educar para o amor, “caso contrário, transmitem-se o egoísmo, a violência, a corrupção nas suas diversas formas, a indiferença e, em última análise, uma vida fechada a toda a transcendência e entrincheirada nos interesses individuais” (FT 113). A pandemia tem mostrado isso. De um lado, a força da fraternidade e da solidariedade. E, de outro, a irresponsabilidade e a desfaçatez. E o maior perigo: não amar.

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 « ‹jul 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...