Artigos Artigos de Dom João Justino

Obstáculos à fraternidade

Uma leitura atenta da realidade mundial revela sinais de um mundo resistente à fraternidade. Recentemente, o Papa Francisco reuniu, no primeiro capítulo da Encíclica Fratelli tutti, alguns desses sinais sob o título “As sombras de um mundo fechado”. Após um século de guerras e conflitos que ceifaram milhões de vidas humanas, esperava-se algum aprendizado. Mas parece que a humanidade não fez a lição de casa. Aqui e acolá reacendem-se situações de violência, atentados, perseguições em razão de raça ou de religião. Chega-se a falar de uma “terceira guerra mundial por pedaços” (cf. FT 25).

Vê-se que a economia se impõe cada vez mais sobre a política e o mercado, que não tem alma, é observado como se tivesse. Assim, fala-se de mercado nervoso ou calmo, por exemplo. Como consequência dessa inversão de valores, a pessoa humana é avaliada a partir de interesses econômicos. Com esse critério não é difícil descartar os pobres, os deficientes, os nascituros, os idosos, as populações tradicionais. É identificável como a dinâmica consumista de descartar objetos, porque já não servem mais, passa ao nível das relações humanas. O sentido da dignidade da pessoa esvazia-se acentuadamente. E, a mesma lógica do descarte favorece expressões de racismos que, como uma erva daninha, rompe aqui e ali.

É sabido que a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, foi uma das primeiras e mais importantes ações da ONU. Caminho muito longo tem sido, desde então, para implementar a defesa dos direitos de modo universal, como se pretendia. É preciso reconhecer que “enquanto uma parte da humanidade vive na opulência, outra parte vê a própria dignidade não reconhecida, desprezada ou espezinhada e os seus direitos fundamentais ignorados ou violados” (FT 22). Nos últimos anos, encontram-se, até mesmo, narrativas contrárias aos direitos humanos. Tem havido muitos retrocessos na compreensão e defesa da democracia e do Estado Democrático de Direito. Ouvem-se vozes que pedem repressão. Com certeza não são sujeitos evangelizados pela boa nova da Páscoa. Certamente não leram o livro do Êxodo e rejeitam as bem-aventuranças anunciadas por Jesus.

Diversos países têm de lidar com o drama das migrações. Esse não é um fato deste tempo. Recorde-se de que o Brasil acolheu nos séculos passados fluxos migratórios de diversos países europeus. Não sem sofrimentos, os imigrantes ajudaram a construir este país. Centenas de milhares de brasileiros vivem noutros países. Para nós cristãos, deparar-se com um migrante – venezuelano ou haitiano, por exemplo – deve nos remeter imediatamente aos ensinamentos de Jesus: “Era estrangeiro e me acolhestes” (Mt 25,35).  Talvez, “nunca se dirá que não sejam humanos, mas na prática, com as decisões e a maneira de os tratar, manifesta-se que são considerados menos valiosos, menos importantes, menos humanos. É inaceitável que os cristãos partilhem esta mentalidade e estas atitudes, fazendo às vezes prevalecer determinadas preferências políticas em vez das profundas convicções da sua própria fé: a dignidade inalienável de toda a pessoa humana, independentemente da sua origem, cor ou religião, e a lei suprema do amor fraterno” (FT 39). Em nenhuma hipótese deixemos criar em nosso coração obstáculos à fraternidade.

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹jan 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...