Artigos Artigos de Dom João Justino

Pacto pela Vida e pelo Brasil

Imagem: nexofin.com/

Mais de quatro meses já se passaram desde o início da pandemia do novo coronavírus. Todos os dias acompanhamos, pelos meios de comunicação, debates e notícias, algumas cheias de esperança e outras que nos causam desânimo e apreensão. A COVID-19, outrora chamada de “gripezinha”, já ceifou a vida de mais de 80 mil brasileiros. O anúncio diário das mortes, às centenas, parece amainar nos corações a percepção da gravidade da situação. O dilema entre a importância do isolamento e a retomada do trabalho, paulatinamente, induziu ao afrouxamento das restrições. O resultado é palpável: o crescimento do número de infectados. A pandemia parece comportar-se diferentemente nos rincões do país. Mesmo com essas diferenças, mudanças comportamentais se impuseram. E vão permanecer ainda por um período razoável, pois a segurança de uma vacina demandará tempo para imunizar grande parte da população do Brasil e do mundo.

Nesse contexto, seis entidades assinaram e apresentaram, no último dia 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, o “Pacto pela Vida e pelo Brasil”. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns, a Academia Brasileira de Ciência (ABC), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e a Sociedade Brasileira para o progresso da Ciência (SBPC) se uniram e dirigiram a palavra a todos os cidadãos brasileiros, como homens e mulheres de boa vontade. Com lucidez, o texto afirma: “A hora é grave e clama por liderança ética, arrojada, humanística, que ecoe um pacto firmado por toda a sociedade, como compromisso e bússola para a superação da crise atual. Como em outras pandemias, sabemos que a atual só agravará o quadro de exclusão social no Brasil. Associada às precárias condições de saneamento, moradia, renda e acesso a serviços públicos, a histórica desigualdade em nosso país torna a pandemia do novo coronavírus ainda mais cruel para brasileiros submetidos a privações. Por isso, hoje nos unimos para conclamar que todos os esforços, públicos e privados, sejam envidados para que ninguém seja deixado para trás nesta difícil travessia. Não é justo jogar o ônus da imensa crise nos ombros dos mais pobres e dos trabalhadores. O princípio da dignidade humana impõe a todos e, sobretudo, ao Estado, o dever de dar absoluta prioridade às populações de rua, aos moradores de comunidades carentes, aos idosos, aos povos indígenas, à população prisional e aos demais grupos em situação de vulnerabilidade. Acrescente-se ao princípio da dignidade humana, o princípio da solidariedade – só assim iremos na direção de uma sociedade mais justa, sustentável e fraterna”.

Esse apelo das entidades citadas há de ecoar em todo o país. Aos gestores públicos cabe a urgente tarefa de aplicar com lisura e transparência os recursos públicos destinados, especialmente, para a área da saúde. Os cidadãos precisam acompanhar a aplicação desses recursos. É a dimensão macro do Pacto pela Vida e pelo Brasil. Há outra menor, nem por isso dispensável ou de menor importância, e que está ao alcance de cada brasileiro. Trata-se de fazer todo esforço pessoal no cuidado com a higienização e evitando qualquer forma de aglomeração. Essas medidas estão ao alcance da maioria da população. É o caminho mais curto em favor da Vida e do Brasil.

+ João Justino de Medeiros Silva

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹mar 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...