Artigos

Artigo: Um tempo de preparação para a Páscoa

A festa mais importante para os cristãos é a festa da Páscoa. Pela sua grandiosidade, ela merece uma preparação à sua altura. Com a celebração da Quarta-feira de Cinzas iniciamos este percurso de renovação interior, mediante o empenho dos exercícios quaresmais. A própria liturgia desse tempo se encarregará de nos conduzir à celebração dos mistérios pascais. Iniciamos colocando cinzas sobre nossas cabeças, num sinal externo de penitência. Com isso, demonstramos o nosso desejo de alinhar a nossa vida ao projeto de Deus, guiados pelos pilares do jejum, caridade e oração. À luz da Palavra de Deus e dos sinais sacramentais próprios deste tempo, somos auxiliados nesse caminho.

A nossa Quaresma surgiu e foi se organizando tendo referência o núcleo da vida cristã, a Páscoa de Cristo, celebrada a cada domingo e, desde o segundo século, também em um domingo específico do ano. Ela é uma introdução ao mistério pascal da morte e ressurreição do Senhor. Nesses quarenta dias de preparação, o próprio Espírito nos conduz à lembrança dos quarenta anos do povo de Deus no deserto e, especialmente, a revivermos os quarenta dias que Jesus passou no deserto, preparando-se para a sua missão.  É um tempo forte na vida da Igreja, justamente por inserir-nos num caminho de conversão, motivados pela Palavra e unidos aos sentimentos de Cristo Jesus (cf. Fl 2,5).

A Liturgia da Palavra dos domingos deste ano (ano litúrgico C) soarão como uma verdadeira catequese sobre a reconciliação com Deus e com os irmãos. Tal tema tem seu ápice na celebração da própria Páscoa, sinal supremo de nossa reconciliação com o Pai. Os Evangelhos trarão esse caráter de exaltação da misericórdia: o 3º Domingo da Quaresma, sobre a figueira sem frutos (Lc 13,1-9); o 4º Domingo da Quaresma, que abordará a parábola do filho pródigo (Lc 15,1-3.11-32); e o 5º Domingo da Quaresma, sobre o episódio da mulher adúltera perdoada (Jo 8,1-11). Ambos manifestam o amor de Deus, que se inclina sobre nossa humanidade, convidando-nos à um percurso de fé, de vida e de aliança. Este itinerário tem como objetivo a plena reconciliação do ser humano com este Pai rico em bondade, compaixão e misericórdia.

Sendo a Quaresma um caminho de preparação para a vitória definitiva da Páscoa, devemos nós, cristãos, tomarmos esse caminho de conversão, trilhando-o “com as armas da penitência”, a postos para “o combate contra o espírito do mal” (Oração do Dia – Quarta-feira de Cinzas). Assim, progredindo no conhecimento de Jesus Cristo e correspondendo ao seu amor por uma vida santa, apoiados n’Ele neste caminho de conversão, possamos tomar consciência da realidade e das exigências próprias do nosso batismo. Só assim, mudando nosso modo de pensar e viver, conformando nossa vida à vida de Cristo, teremos reais condições de celebrar a Páscoa na pureza e na verdade (cf. 1Cor 5,7-8). Quanto melhor vivermos a Quaresma, melhores serão as motivações para celebrarmos a Páscoa.

Equipe Arquidiocese em Missão
Arquidiocese de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 « ‹dez 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...