Artigos

BEBER DO POÇO

Sem água não vivemos. Ela existe, mas precisamos preservar as fontes que nos abastecem.

A Campanha da Fraternidade nos coloca o desafio do cuidado com o planeta, preservando os biomas diversificados do Brasil. Ao contrário, vamos matando a terra por matar a vida que nos dá sustento. Tirando as matas, matamos as fontes das águas e influenciamos na produção da má qualidade de vida, com consequências danosas para todos. O Papa Francisco fala muito disso na encíclica “Louvado Seja!” (Laudato Sì!).

A Bíblia narra que o povo hebreu, na caminhada do deserto rumo à terra prometida, reclamava com Moisés pela falta de água. Ele suplicou a Deus e, ao mandato divino, tocou com uma vara na rocha e, daí, saiu abundante água para o povo beber (Cf. Êxodo 17,3-7). A oração é de suma importância para termos força e aguentar os sacrifícios da caminhada. É como ter a força da água para nos vivificar. Porém, é preciso caminhar na direção certa, indicada por Deus. Ele pede que façamos a nossa parte. A água ainda existe na natureza, mas precisamos cuidar para preservarmos as bases de onde elas brotem, como a preservação das matas, do meio ambiente e dos biomas. Precisamos também, conforme o projeto do Criador, além de cuidarmos da natureza, levar em conta os lugares, a pessoas, as comunidades e os povos que sofrem pela falta de água potável. Há instituições que, para extraírem os minerais ou para o plantio em larga escala de alimentos, degradam, poluem, devastam e não levam em consideração o respeito ao meio ambiente. Ai  a maior parte da população  fica sem nada do produto que aquelas extraem. Precisamos  lutar por políticas públicas que racionalizem o uso do solo para não o degradarem.

No Evangelho temos a narrativa de Jesus que, passando pela Samaria, pediu água para uma mulher que a buscava do poço feito pelo patriarca Jacó (Cf. Jo 4,5-42). Ela estranhou o pedido de Jesus, por Ele ter o sotaque de quem não era da região. Ele, sendo da Judéia, deveria hostilizar quem fosse da Samaria! Mas Ele adiantou que tinha uma água que não teria mais sede quem a bebesse! Como?! Então seria muito bom ela receber tal água para não mais precisar de buscar ali, todos os dias, a água necessária! Foi então que o Mestre falou a respeito da vida dela, para seu pasmo. Jesus tocou seu coração, mostrando-lhe ser o Messias. Houve a conversão da mulher! Assim também acontece com quem aceita a água da vida de Jesus. Beber de seu poço é ter vida de sentido. É encontrar a salvação. É fazer da própria vida quem, como Jesus, trabalha para ajudar a todos a terem condição de vida digna, de respeitar as leis da natureza e das reveladas pelo Filho de Deus!

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹out 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...