Artigos

”Curadores feridos”

https://www.cathopic.com/
https://www.cathopic.com/

A Igreja no Brasil, via de regra, dedica o primeiro domingo do mês de agosto e a semana subsequente à reflexão sobre as vocações sacerdotais. É preciso dizer que, como afirma o Concílio Vaticano II, por meio das águas batismais nos tornamos um povo sacerdotal. Do meio deste povo, Deus chama homens para serem constituídos no sacerdócio ministerial (padres e bispos), em outras palavras, para participarem de um modo particular do ministério sacerdotal de Jesus Cristo, único e eterno mediador entre Deus e os homens.

Os sacerdotes, por meio do sacramento da ordem, são constituídos como servidores do povo de Deus e de todos os homens. São continuadores da missão do próprio Jesus, instrumentos de sua salvação constantemente oferecida a todos. Assumem a missão de ser a presença do Bom Pastor em meio a seu povo. Dentre os muitos detalhes do rito de ordenação, um deles merece singular atenção. Antes de proceder com a imposição mãos e com a prece consecratória, o ordenante estabelece um diálogo com o ordenando sobre seu compromisso diante do ministério abraçado. A cada questionamento se responde prontamente quero, mas, no último deles, sempre se acrescenta a expressão com a Graça de Deus. Isso porque, é sempre por meio da Graça que nós, seres suscetíveis a erros, podemos ser instrumentos da salvação. Não obstante, o sacramento da ordem jamais deve ser visto como uma fábrica de seres angelicais.

Uma postura clericalista, arrogante e disfuncional, leva muitos a exigirem dos ministros ordenados uma postura que suplante as limitações que são próprias da nossa condição existencial. O ministro deve assumir a postura de um guerreiro, sempre pronto para a luta, com uma armadura ilusoriamente intransponível. Os próprios ministros ordenados quando apelam a uma postura clericalista tornam-se algozes de si e de seus irmãos de ministério, além de muitas outras disfuncionalidades no exercício de seu serviço. Todos possuímos limites que precisam ser respeitados. Como seres humanos, necessitamos de cuidado e de um olhar misericordioso. A figura do curador ferido bem se aplica à realidade dos sacerdotes. São homens que possuem suas feridas, mas fazem delas fonte de cura para os outros. Consagrar a vida ao pastoreio do povo é, portanto, reconciliar-se com sua humanidade para olhar a realidade com os olhos do Bom Pastor.

Voltemos, em prece, nossos corações ao Senhor da Messe, suplicando a Ele que nos envie santos operários para conduzirem seu Povo em marcha. Peçamos, também, a Ele, que voltando o seu olhar para nossa Igreja Particular de Montes Claros, nos envie um novo arcebispo, segundo o seu coração de Pastor. Rezemos pelos sacerdotes de nossa Arquidiocese e por aqueles que se encontram no caminho de formação inicial,
seminaristas e diáconos transitórios, para que sejam perseverantes no sim que foi dado ao Senhor que chama. Enfim, que nossas comunidades sejam lugar fecundo para o surgimento de muitas vocações sacerdotais.

 

Equipe Arquidiocese em Missão
Arquidiocese de Montes Claros

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹ago 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...