Voz do Pastor

DISTRIBUIR E SOBRAR

Vivemos numa sociedade em que o dinheiro e o acúmulo de riquezas materiais são concentrados demais nas mãos de poucos. Esses parecem insaciáveis e com medo de não terem ainda o suficiente para viver, esquecendo-se de que não viverão eternamente nesta terra. Não percebem que na colaboração com a promoção dos mais necessitados estaria sua grandeza de humanismo que lhes dê mais segurança de vida digna. Aliás, nosso sistema tributário também favorece o descompromisso dos que têm demais com o bem da sociedade. Quem ganha ou tem pouco acaba pagando mais impostos, proporcionalmente, do que os de grandes ganhos e fortunas. É possível mudar isso se o povo se conscientizar e escolher políticos de compromisso com o bem social.

Na época do profeta Eliseu um homem foi dar-lhe vinte pães. Ele mandou que o doador os distribuísse para o povo. Mas esse falou que os pães não seriam suficientes para todos. O profeta insistiu pela distribuição, dizendo que os alimentos dariam e sobrariam, como, de fato, ocorreu (Cf. 2 Reis 4,42-44). Isso aconteceu à semelhança do que Jesus faria depois com a multiplicação de pães e peixes em diferentes ocasiões.

Hoje temos cerca de um quarto da humanidade morrendo de fome em diversos países. Por outro lado, há o desperdício de um terço dos alimentos produzidos no planeta. A racionalização da distribuição dos alimentos e dos bens materiais acontecer  de melhor forma, com governos que fizessem o planejamento do ganho, do trabalho e das exigências de solidariedade e compromisso de inclusão social. Políticas públicas deveriam ser elaboradas com programas de governo dos que se apresentam para exercer cargos eletivos na coisa pública, com a fiscalização do resultado dos mesmos. Na apresentação dos candidatos precisamos mais de programas de ação do que de promessas vazias e eleitoreiras. As ideologias de partidos (se é que todos as tenham!) não podem sufocar a disposição de se trabalhar pelo bem comum e não simplesmente para o bem dos mesmos partidos.

Até na variedade de mentalidades e história de vida das pessoas, os órgãos de formação, como famílias, escolas, Igrejas, instituições de serviço público e privado poderiam ajudar, talvez ainda mais, na conscientização de todos para a cultura da alteridade. Aí se daria mais a formação do caráter para a solidariedade, a justiça e a inclusão social, bem como a formação para a adequada política, em que todos colaborem com a prática da cidadania e o bem comum. Caso contrário, o egoísmo, com influência dos que vivem ao contrário da colaboração com a comunidade é que vai reinar, produzindo sempre mais o individualismo roedor do tecido social.

A formação do adequado senso crítico ajuda a pessoa a discernir o joio do trigo e, a quem tem bom caráter e espírito altruísta e de hipoteca social, a cooperar com a implantação do bem comum. Se não é possível nem conveniente arrancar todo o joio, para não se estragar também o trigo, na parábola contada por Jesus (Cf. Mateus 113,24-30), é preciso que  os bons sejam persistentes no seu ideal e sua prática de promover o benefício dos que são injustiçados e empobrecidos.

José Alberto Moura, CSS    Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 « ‹jul 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...