Voz do Pastor

EXEMPLO DE JOÃO

Na liturgia da Igreja celebramos a festa, dentro de outras juninas, do nascimento de João Batista, o precursor de Jesus. Enquanto fazemos as comemorações dos santos no dia de sua ida para o céu, a de João celebramos no dia de seu nascimento, para realçar sua missão importante, que adveio com seu nascimento para a vida presente. Ele exerceu uma missão ímpar no plano da salvação trazida pelo Messias. Preparou a comunidade judaica para receber o Salvador que viria reatar a pontificação da humanidade de todos os tempos e lugares com o divino. Só Deus poderia realizar tal união perdida por nós com o rompimento da aliança com Ele. João, o batizador, liderava o mundo religioso de então. Mas ele não quis assenhorar-se do prestígio para se fazer de Messias. Em sua humildade apresentou a verdade do Filho de Deus, falando alto e bom tom sobre a pessoa divina deste.

A vida e as palavras proféticas de João deveriam ser assumidas também por nós, que fomos batizados para também sermos profetas. Assim proferimos ou comunicamos a todos que somente seguindo o Cristo, realizando na terra o que Ele fez e ensinou, é que temos a chance de consertarmos a convivência humana, com os critérios ou valores de seu Reino. Mesmo tendo que dar a cabeça, como João fez, não podemos abrir mão de colocar em prática nossa missão de discípulos missionários de Jesus. Proclamar, viver e comunicar a verdade, a correição moral, a defesa dos deixados de lado no convívio social, promover a justiça, vida da família conforme o projeto do Criador, a política honesta e de verdadeira promoção do bem comum, o respeito à dignidade da criança, do idoso, da mulher, do sexo e das minorias fazem-nos imitar João para termos uma sociedade mais humana e solidária.

O profeta lembra que não é suficiente fazer nossas obrigações pessoais e de natureza espiritual. É preciso levar e ensinar para os outros o que aprendemos e vivenciamos como bem moral, sendo verdadeira luz para os demais (Cf. Isaías 49, 6). O próprio Jesus  deu a incumbência a seus discípulos para irem e ensinarem a todas as nações o que Ele próprio fez  e ensinou. O Papa Francisco afirma que devemos ser  uma Igreja em saída, ou seja, assumindo a missão de não guardar só para nós e em nossa comunidade, o que aprendemos de bom. É necessário levarmos a todos e continuamente a proposta de Jesus, com a prática do bem, da justiça, dos valores humanos e cristãos. Não se trata de fazermos proselitismo, pressão, ou imposição moral e psicológica para obter conversões e sim de apresentarmos os valores de modo a que as pessoas vejam como um atrativo interessante avida cristã para também se disporem a seguir pelo mesmo caminho (Cf. Evangelii Gaudium – Alegria do Evangelho n.o 14).  Os primeiros cristãos eram admirados pela sua prática da fraternidade e solidariedade (Cf. Atos dos Apóstolos 4,32-37).

João era uma pessoa de vida simples e austera. Se também não o formos, cairemos na tentação de buscarmos na vida sem compromisso e busca de valores maiores, o hedonismo, o materialismo e a falta de solidariedade com o bem dos mais necessitados. A vida digna deve ser procurada, mas com a hipoteca ou o compromisso com grande parte da sociedade que vive na exclusão social. Com sacrifício e doação nos sentimos mais desapegados do conforto pelo conforto para vivermos no ideal de servir a causa do bem comum, como fez João!

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹ago 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...