Notícias

Fazei tudo o que Ele vos disser”, disse Dom João Justino, no dia de Nossa Senhora Aparecida!

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Catedral está em mais uma edição da tradicional festa religiosa dedicada à sua Padroeira e  do Brasil. Somam 68 edições. Em 2020 serão 70 anos de festa. Os paroquianos acordaram cedo no dia da Padroeira. Missa, carreata, manifestações de fé no interior da Igreja a todo momento, por aqueles que passavam também pela Catedral. A procissão pelas ruas centrais da cidade, acompanhada por Dom João Justino, arcebispo coadjutor e pelos padres e diáconos da Catedral, movimentou centenas de fiéis, devotos de Nossa Senhora Aparecida.

“Eu estou viva hoje, porque minha mãe fez uma promessa à Mãe de Aparecida”, com olhar fixo na imagem em cima do carro, disse Everalda Soares Sarmento de 43 anos. Natural de Barbacena, está na cidade à passeio na casa de amigos, não resistiu quando viu a procissão passando e desceu do prédio. “Eu vi a carreata, achei que não tivesse a procissão, mas ainda bem que ela passou aqui, bem pertinho de mim”. Everalda mostra a marca no pescoço de um acidente que sofrera ainda criança, no dia 12 de outubro de 1978, aos cinco anos de idade.  Descalço, seu Valdemar Pereira de 72 anos, agradece durante a procissão, à imagem de Aparecida por uma graça recebida. Não falou o milagre, mas com os olhos marejados, disse que foi Ela, a Padroeira do Brasil quem intercedeu pela vitória. E assim, durante a procissão, relatos, expressões de fé e devoção eram percebidas em centenas de rostos e olhares direcionados à Santa.

Ao chegarem na Catedral, outra multidão já aguardava para o início da missa que foi presidida por dom João Justino. “Que alegria celebrarmos juntos aqui na Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, a festa da Padroeira do Brasil e de nossa Catedral”, disse dom João saudando a todos.  Por vinte e cinco minutos o arcebispo falou da relação das duas leituras e do Evangelho naquela noite. “A liturgia nos oferece como referência três mulheres que estão diante de alguém com grande poder: Ester diante do Rei. A mulher grávida diante do dragão (aqui representa o poder) que quer devorar seu filho e  Maria diante do seu filho, nas bodas de Caná, na Galileia.  “A Palavra de Deus sempre dá o sentido do que celebramos. Nossa fé nasce da escuta da Palavra. Os mistérios da fé só podem ser compreendidos à luz da própria Palavra de Deus. Por isso, viver implica escolher. E na escolha podemos optar pela vida ou pela morte”. E a partir daí, levou toda a assembleia para refletir sobre os “dragões” atuais que impedem de ouvir Jesus.

“Para fazer critério de escolhas na vida, é preciso escutar Jesus. Estar mais atento. Qual a nossa responsabilidade diante da situação em que estamos? Quem sempre se justifica não converte”, pontuou. “Quando se fala de criança – se fala em beleza da vida. É a esperança que faz os casais acompanharem com cuidado seus filhos. Desde a gestação, a todo processo da vida. Nossa cultura tem enfraquecido a família e a missão do pai e mãe no cuidado do seu filho. Quando muito se dá, nem sempre o resultado é bom. É preciso ser presença. Para assim perceber a proximidade de “dragões”  que não estamos percebendo. Existe uma educação quando bem dada que ninguém tira. É a educação que se dá em casa. Por isso, pai e mãe vocês tem missão da beleza em acompanhar. Não quero demonizar o celular, mas as vezes, o “dragão” está em nossas mãos”, disse isso ao referir a uma cena que ele presenciou no aeroporto, quando a mãe, ao celular, chamava para perto de si uma criança de aproximadamente 4 anos. Quando o menino se aproximava, ela insistia em olhar o celular. E finalizou dizendo: “Não tem escola que substitua o pai ou a mãe. Escutem o meu filho e façam o que Ele vos disser”. Aplaudido por todos, dom João continuou a celebração. Ao final, recebeu uma lembrança das mãos de duas crianças. Agradeceu pela participação de todos deu a benção final.

As barraquinhas continuam ainda neste final de semana até domingo. Veja a programação:
11º Dia (13 de outubro) – 19h– Celebrante: Wagner Eduardo – Catedral Nossa Senhora Aparecida
12º Dia (14 de outubro) – 20h– Celebrante: Frei Valdo – Catedral Nossa Senhora Aparecida
Shows com artistas da terra e barraquinhas com comidas típicas todos os dias da novena e festa.
Já na segunda-feira, de 15 a 21 de outubro será realizada a semana missionária na arquidiocese, porém com atividades paroquiais.

Foto: Romilda Ferreira/ Pascom Catedral

__________________________________________________________
***Viviane Carvalho – Assessoria de Imprensa Arquidiocese de Montes Claros (38 Vivo) 9905-1346 (38 claro) 9 8423-8384 ou pelo e-mail: [email protected]

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹out 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...