Voz do Pastor

Fazer Jejum

Iniciamos o tempo da quaresma, preparando-nos, nesses quarenta dias, para a celebração da Páscoa da ressurreição de Jesus. Nele somos instados a fazer jejum, intensificar a oração e a penitência, praticar mais obras de caridade e solidariedade para com o próximo. A mudança de vida nos faz superar o egoísmo, a indiferença, as injustiças e a falta de colaboração para uma convivência mais fraterna e solidária.

Na quarta-feira de cinzas focalizamos nossos limites humanos e nossa vida terrestre passageira. Enquanto temos tempo revemos nossa caminhada para a direcionarmos adequadamente para o sentido da vida apresentada por Deus. Jesus Cristo vai à frente, indicando-nos um modo mais humano e fraterno. A Campanha da Fraternidade, promovida pela Igreja no Brasil a cada ano, durante este período, nos convida a viver uma fé comprometida com o bem do semelhante e de toda a sociedade. O tema deste ano faz-nos envolver na realidade da violência em que vivemos para tentar superá-la. Sozinhos não conseguimos. Unidos podemos assentar bases mais sólidas para tirarmos as causas de morte e agressões contra a vida e a dignidade humana. O lema da Campanha “Vós sois todos irmãos” (Mateus 23,8) no convida à união de esforço para considerarmos a vida humana como presente de Deus, que devemos cultivar com todo empenho pessoal e coletivo.

Uma agressão muito forte em que vivemos é o grande  massacre da ética nas relações e convivência social. O que deveria ser um bem público é privatizado de modo covarde e  ilícito moralmente. Por isso, precisamos fazer forte cruzada de promoção do respeito ao bem comum. A política e os políticos devem ser os primeiros a dar o exemplo na promoção das eleições e na prática de seus encargos. Mas os eleitores são os primeiros a saberem e atuarem para as eleições não corruptas. Saber escolher envolve a consciência ética e cidadã, como quem está aplicando bem o “dinheiro” no Banco do dever cívico!

Precisamos promover o verdadeiro jejum que nos faz abster de toda a má “gordura” anti-social e anti-ética. Não podemos nos eximir de fazer o esforço para nos interessarmos melhor e usar da reflexão para analisarmos esse momento da nossa história e contribuirmos com as boas eleições. Sabemos que não é fácil discernir. Os candidatos se apresentam como bons, embora saibamos que a mentira é uma grande força dos corruptos e corruptores. Precisamos usar o jejum da acomodação para nos comprometermos com a real cidadania da doação de cada um para melhorarmos o Brasil!

Este tempo quaresmal nos é muito propício para meditarmos e tomarmos consciência do porquê Deus nos deu a vida aqui e agora, para agirmos como pessoas do bem pessoal, familiar e comunitário e colaborarmos com seu melhor encaminhamento. A oração, a penitência e as obras de bem, de solidariedade com os empobrecidos e com todos os que sofrem por qualquer causa e motivo, nos ajudam a crescer espiritualmente e como seres humanos conscientes da missão que Deus nos deu gratuitamente.

Todos são convidados a usar os livrinhos da Campanha da Fraternidade, encontrados nas Paróquias, para usufruírem dos valores especialmente apresentados nesse tempo.

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹dez 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...