Notícias

Laurita Alves de Araújo, sempre a caminho

Aconteceu na noite de sexta-feira, 28 de junho de 2019, no Centro de Evangelização Paulo VI (Rua Alagoas, 335, Cintra), Montes Claros/MG, o lançamento do livro “Os Caminhos de Laurita”. Quatro confreiras da Academia Feminina de Letras prestigiaram a solenidade de lançamento da obra literária: Maria da Glória Caxito Mameluque (Glorinha Mameluque), Nancy França Andrade, Alcione Gonçalves Ribeiro Vieira e Filomena Luciene Cordeiro Reis. O monsenhor José Osanan de Almeida Maia e Geraldo Matos Guedes foram outras autoridades presentes ao evento, que contou com participação considerável das comunidades da Paróquia Nossa Senhora da Consolação.

Geraldo Matos Guedes fez a apresentação do livro. “Este livro fala do amor que pulsa em cada ser humano. Você vai conhecer os fatos relevantes da história e dos caminhos de uma pessoa chamada Laurita Alves de Araújo – a estrela, assim apelidada por alguns companheiros(as) de jornada. Nascida no sertão norte-mineiro, onde o sol e o calor são predominantes naquela região: Vim pelas estradas empoeiradas e aqui cheguei nesta cidade, terra das formigas, assim chamada na época. Hoje cidade de Montes Claros. Vimos à procura de melhorar de vida. Com Deus na frente fortalecendo a esperança e ajudando a concretizar os sonhos e transformá-los em realidade. E hoje vim registrar estes fatos relevantes da minha vida, que faz parte deste trilhar caminhos”, destaca Guedes.

O posfácio da obra de 106 páginas e tiragem de 200 livros tem a produção de Glorinha Mameluque. “Com alegria recebi de Laurita a incumbência de ajudá-la a organizar este livro. Eram muitos textos e inúmeras fotos que tivemos de selecionar, organizar, escanear e inserir nos lugares próprios. Foram muitas idas à Gráfica Uni-Set, muitas revisões e ajustes. Já conhecia Laurita do Secretariado, sempre solícita e responsável, atendendo a todos com muita disponibilidade. Meu marido [Pedro Mameluque Mota] era admirador dela pela forma como o atendia sempre. Lendo o livro, tive a oportunidade de conhecer a sua rica história, cheia de lutas e desafios, mas também de conquistas e vitórias. Fiquei feliz em ajudá-la a realizar este sonho. Parabéns, Laurita!”, saúda Glorinha Mameluque, primeira presidente da Academia Feminina de Letras de MOC no mandato de 2009 a 2011.

Em entrevista, Laurita contou que foram três anos de labuta para pensar a obra. “A primeira parte é a minha caminhada. E a segunda parte é sobre a Família Alves de Araújo”, revela a agora escritora ao relatar que o livro traz detalhes sobre a sua vida, a caminhada na Arquidiocese de Montes Claros, no Seminário Maior Imaculado Coração de Maria, no Hospital Santa Terezinha (demolido), no Hospital São Lucas (hoje Fundação Dílson Godinho) e na Santa Casa.

Há também depoimentos do padre Antônio Carlos da Silva (falecido), do padre Antônio Alvimar Souza, do monsenhor Geraldo Marcos Tolentino e de catequistas com os quais trabalhou na Paróquia Nossa Senhora da Consolação. “Passava roupa no São Lucas com o ferro elétrico. No Hospital Santa Terezinha, pra gente descer as escadas com os pacientes para a parte de baixo, a gente descia com os pacientes na maca, na mão. Não tinha recursos”, recorda.

Para ela, o fato mais importante da sua vida foi mesmo escrever um livro, além de trabalhar e ter feito faculdade. “São sonhos que a gente sonhava e nunca realizava. Eu mesma falar de mim mesma”, declara sem falsa modéstia. Só na Arquidiocese de Montes Claros foram 27 anos de serviços prestados. Depois de aposentada, trabalhou mais cinco anos como voluntária. Entrou em 1992 e saiu em 04 de fevereiro deste ano.

Nascida em um povoado chamado Atoleiro, município de Rio Pardo de Minas, no dia 24 de março de 1950, Laurita Alves de Araújo é filha biológica de Paulo Alves de Araújo e Maria de Jesus. “Éramos 14 irmãos. Cada um se espalhou para um canto e pra outro. De uns tempos pra cá, comecei a ter contato com os irmãos de sangue”, menciona. Ela reencontrou três irmãos. Laurita também teve 11 irmãos de criação. Com Mal de Alzheimer, a mãe que a criou hoje mora em Divinópolis aos cuidados de uma das irmãs. “Alugou a casa lá da gente. Morávamos no Cintra”, relembra.

“A vida era mais tranquila. Não tinha tanta violência. A gente trabalhava no pesado, mas a gente tinha uma vida saudável. Brincava muito. Tínhamos muitos momentos alegres, muitos momentos bons”, tem saudades Laurita de um tempo sem tanta agitação pós-moderna.

Ela se formou no ano de 2015 em Serviço Social no curso de educação à distância da Universidade Norte do Paraná (Unopar). “Foi muito bom. Tinha aula presencial, trabalho individual e em grupo. Exige mais da gente do que a gente na escola. Você estudar só exige muito mais de você. Pesquisei muito. Valorizei muito este estudo à distância”, testemunha. Fez monografia sobre violência doméstica. Tratou não só da violência física que sofrem as mulheres, mas também da violência psicológica. Destaca a importância da Lei Maria da Penha que, para ela, “aumentou mais a matação do que antes”. A legislação é importante, porém, “não tá resolvendo muita coisa não”. “Se as mulheres denunciam, o risco do agressor matá-las é maior”, considera.

Hoje Laurita mora sozinha à Rua Gerânio, 149, apartamento 103, Bairro Montes Alegre, CEP 39.410-494. “Vou à Missa na igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na igreja do Cintra e na igreja do Batalhão. Sem compromisso. Saí da casa da mãe e fui para a casa da filha”, brinca ao se referir que a Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro do Bairro Monte Alegre pertence à Paróquia Nossa Senhora da Consolação. Faz fisioterapia por causa da tensão em virtude da preocupação em cuidar de uma das irmãs que está com câncer, internada em um quarto da Santa Casa. A irmã faleceu em meados de junho. Mas Laurita não perde a esperança em dias melhores, sempre a caminho. O exemplar do livro “Os Caminhos de Laurita” custa R$ 15 e pode ser comprado através do telefone particular da escritora: 38 9 9919 1829.

Texto e fotos: João Renato Diniz/ Jornalista

___________________________________________

***Viviane Carvalho – Assessoria de Imprensa Arquidiocese de Montes Claros
Contato: (38) 9905-1346 (38) 9 8423-8384
e-mail: [email protected] 

 

 

 

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹dez 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...