Notícias

Paróquia recebe homenagem por completar Jubileu de Prata

“Nas comemorações do Jubileu de Prata da Paróquia Santa Rita de Cássia, bairro Santa Rita em Montes Claros, o Parlamento Montesclarense outorga nobre homenagem a toda comunidade paroquial, que contribuiu nessa caminhada sem poupar esforços, semeando os princípios evangélicos de amor, caridade e fraternidade.  Paróquia esta, erguida com a participação consciente, ativa e criativa de todos os fiéis.  Por tudo isso, o reconhecimento deste legislativo, pelos relevantes serviços prestados pela Paróquia, no passado, presente e futuro, sempre servindo a Deus, a Cristo, ao Evangelho e ao seu povo na construção do seu Reino”. Assim estava escrito em um cartão distribuído a todos os presentes na Câmara Municipal no dia 28 de setembro de 2018, depois da sessão de homenagem dedicada a Paróquia Santa Rita de Cássia.

Depoimentos emocionantes  de uma comunidade de fé, você vai acompanhar na próxima revista Clarão do Norte da edição de novembro e dezembro. Padre George Amarante ficou feliz pela homenagem e agradeceu a todos, referindo-se também a todos os padres e leigos que passaram pela Paróquia e que deixaram ali, impressas suas marcas e contribuições para que o jubileu de prata fosse vivido com tamanha e expressiva fé popular.

Abaixo, você vai ler um recorte da revista do centenário de nossa arquidiocese, no período de 2010, onde foi apresentada a memória da paróquia, ainda em seus anos iniciais.

O que uma reza do Terço faz: Em 1963, grupo de ferroviários se reuniu para rezar o Terço. Ilídio Alvez e Silva Neto, animados pelo fiel Raimundo de Carvalho, conhecido como “Seu Téco”, passaram a rezar o Terço em uma capela abandonada, na antiga Vila Ananias, hoje Bairro Santa Rita. Essa capela tinha um altar de adobe e uma estampa da Nossa Senhora da Guia. Foi criada uma congregação mariana. Essa congregação, unida aos vicentinos, construíram um pequeno salão. Em 1964 [ano do golpe militar], é realizada a  primeira missa, presidida pelo padre Antônio Gonçalves Rocha, hoje monsenhor e vigário geral da Arquidiocese de Montes Claros.

Com o crescimento populacional do bairro, a capela não comportava mais as grandes celebrações. Os fiéis passaram então a se concentrar embaixo de uma mangueira, onde seria erguida outra igreja. Uma senhorinha, chamada dona Olegária, iniciou uma novena juntamente com suas amigas ao redor de uma imagem de Santa Rita de Cássia. Com isso, nasce a Irmandade de Santa Rita, hoje conhecida como as cassianas. Os fiéis trabalharam incansavelmente, realizaram barraquinhas, livros de ouro, rifas e conseguiram construir outro templo religioso.

As pastorinhas enchiam de paz e alegria as nossas festas natalinas. Em 1986, existia também em nossas comunidades o Coral Santa Rita, que também animava os bairros da cidade. Em maio de 1991, a Comunidade Santa Rita de Cássia é elevada à condição de pró-paróquia por dom Geraldo Majela de Castro, bispo da época. Para constituir o território da hoje paróquia, foram desmembradas algumas partes das paróquias Nossa Senhora da Consolação e São Sebastião.

Morrinhos:  Com essa nova constituição, a pró-paróquia Santa Rita de Cássia recebeu a capela histórica do Nosso Senhor do Bonfim, no Bairro Operário-Cultural Morrinhos, a tradicional região da Associação dos Catopês, Marujos e Caboclinhos. Esta nossa caminhada de Igreja cheia de intensos trabalhos e de trabalhadores finalmente foi agraciada com a elevação à condição de paróquia.

Unidos ao pastoreio do padre Antônio Alencar Monteiro, os fiéis das nossas comunidades ganharam o título de Paróquia Santa Rita de Cássia de Montes Claros, no dia 05 de setembro de 1993, com o decreto do bispo diocesano dom Geraldo Majela de Castro. O decreto foi datado em 16 de março de 1993. Já são 47 anos de caminhada, desde quando éramos simples e modestas comunidades cristãs.

Agradecemos, neste espaço da Revista do Centenário, a grande colaboração dos sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos e leigas que por aqui passaram. Em nossa região foi possível desenvolver o trabalho da Pastoral da Criança, do Projeto “Escola da Cidadania Dom Luciano Mendes de Almeida” da Pastoral do Menor e da Pastoral da Educação, dentre outros. Formamos aqui também turmas do Curso de Teologia para Leigos da nossa Arquidiocese Centenária.

Por essas e tantas outras atividades que ainda virão, vale à pena prosseguir neste serviço de intensa comunhão eclesial. Hoje, pertencemos à 2ª Região Pastoral do Setor Centro Arquidiocesano, ao lado das paróquias Nossa Senhora Aparecida (Catedral) e Nossa Senhora da Conceição e São José (Matriz), a primeira igreja da cidade e onde tudo começou, como se estivéssemos sentados e conversando na beira das margens do Rio São Francisco.

Fonte: Revista do Centenário da Arquidiocese de Montes Claros, vários autores, 10 de dezembro de 2010/ enviada por João Renato Diniz Pinto/ jornalista.  

____________________________________________________________
***Viviane Carvalho – Assessoria de Imprensa Arquidiocese de Montes Claros (38 Vivo) 9905-1346 (38 claro) 9 8423-8384 ou pelo e-mail: [email protected]

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 « ‹jul 2021› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...