Artigos

RAMOS AO REI

No domingo de Ramas não apenas lembramos o fato de Jesus ter entrado em Jerusalém, capital de seu país, montado num jumento, como rei pobre, e ser aclamado rei, com o lançamento de ramos e mantos por parte do povo que o ovacionava! Tudo isso mostrou que tipo de rei Ele era e a qualidade de manifestação do povo daquela época, relacionado com o de agora.

No mundo há bilhões de cristãos de diversas denominações e até divididos e opositores de uns a outros em determinados casos. Há também bilhões que não conhecem e não seguem o Divino Mestre. Aliás, Ele veio para salvar a todos, indistintamente. Porém, Ele o faz com sua graça e quer também a ação e missão dos discípulos, para serem luz a todos, indicando o caminho que leva à vida plena. Felizes dos discípulos que entendem bem o Mestre e seguem seus ditames, realmente saindo em busca das ovelhas sem Pastor! Por outro lado, não basta dizer que se tem fé no Messias, nem só fazer alguns atos litúrgicos e de culto. É preciso estar disposto a dar a vida pelo Filho de Deus e ir à prática do amor, da justiça e da solidariedade. Afinal, só somos membros do seu reinado se aceitarmos, na prática, seus ensinamentos e imitarmos suas atitudes.

Jesus é o rei pobre, que nos ensina o desapego, a simplicidade, a humildade, o despojamento, o espírito de sacrifício e doação de nós pelo bem da família, da Igreja e da sociedade, com especial atenção à promoção e assistência dos mais deixados de lado no convívio social. Ele veio para salvar os pecadores, os aflitos, os perseguidos, os perdidos da vida. Por isso é que o Papa Francisco sublinha a necessidade de sermos uma Igreja “em saída”. Devemos ir à missão de dar e promover a vida. Ir atrás dos excluídos, dos abandonados à própria sorte, aos não evangelizados… É um tipo de rebanho e de Igreja não conformados com o apego a si mesmos e superando o triunfalismo e o fechamento dentro de si! Nosso profetismo deve aparecer como Igreja que assume a causa dos pobres, dos em vez nem voz… da promoção da cidadania para todos os que vivem sem tudo: teto, terra, emprego, saúde, educação e tudo o que é necessário para viver dignamente. É Igreja misericordiosa, que ajuda as pessoas a viverem convertidas e sanadas espiritualmente. É Igreja evangelizadora e acolhedora, da escuta, da visitação, do diálogo, que sabe dar vez…

Nossos ramos são nossa força de vontade e união para trabalharmos pelas mesmas causas que Jesus veio trazer e ensinar-nos. As virtudes da fraternidade e da misericórdia valem mais do que mostrar orgulho, superioridade e hegemonia. Nossos ramos são ainda as virtudes da coragem de defendermos causas em benefício da dignidade da vida e do bem comum, sedimentados nas famílias, na política e em todo o exercício da defesa dos direitos da cidadania para todos!

José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, MG

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Artigos de Dom João Justino

Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Luz para os Meus Passos

AGENDA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹jan 2022› » 

REVISTA

 

ENQUETE

No ano em que realizaremos a IV AAP (Assembleia Arquidiocesana de Pastoral) a Diocese de Montes Claros comemora quantos anos de criação?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...